domingo, 7 de agosto de 2016

Capítulo 24 - A Verdade por trás da Fantasia da Pornografia [Livro de Shelley Lubben] Leitura Online PDF



Uma Confissão

Ato VI

Conheça Shelley #3

XXIV

Uma Confissão

conStruIndo A mente de um cAmpeão

Capítulo Vinte e Quatro

Porque Deus não nos deu o espírito de temor;

mas de poder, de amor e de uma mente sã.

- 2 Timóteo 1:7 (NKJC)

Em minha mente sã e sóbria, era hora de ir para a batalha pesada e

conquistar os monstros mentais que ainda me mantinham cativa. Eu

tinha passado por muitos testes, mas agora era hora de acelerar e lutar

a batalha final: fazendo meu passado o passado.

“Você não pode ter uma vida positiva com uma mente negativa”, Pastor

Kevin pregou durante o segundo culto. Mais do que qualquer coisa eu

queria viver uma vida positiva de Campeã, mas eu ainda tinha

bagagens emocionais que eu precisava enfrentar e me livrar.

Pensei na minha mãe. Eu não a tinha perdoado completamente ainda.

Eu poderia até ter parado de falar mal dela, mas eu ainda nutria

pensamentos ruins sobre ela. A batalha continuava sendo travada em

minha mente ainda e eu tinha uma escolha a fazer: perdoar e ser

promovida ao próximo nível ou ficar onde estava e marchar ao redor

da mesma velha montanha.

Cansada de ser uma israelita murmuradora que perde a Terra

Prometida, eu decidi colocar em ação o que eu tinha aprendido nos

últimos cinco anos, realmente fiz um esforço para não pensar maus

pensamentos sobre aqueles que me feriram. Na verdade, eu fiz o

OPOSTO. Comecei a procurar e procurar o melhor nos outros de

propósito. Pensei na minha mãe e nas coisas boas que ela fez por mim

quando eu era criança. Lembrei-me como ela me levava ao

dentista a cada seis meses e como eu tinha dentes bonitos, por causa

dela. Eu refleti sobre as festas de aniversário, e como ela arrumava

tudo para mim. Eu pensei sobre sua fidelidade em cozinhar o jantar

todas as noites para sua família e em como ela limpava a casa. Agora

que eu era uma mãe de três filhos, de repente eu comecei a apreciá-la

mais. Eu entendi que ela cometeu alguns erros que claramente me

machucaram muito como uma criança, mas eu escolhi não mais me

debruçar sobre os seus erros. Eu percebi que a falta de perdão era um

veneno espiritual e emocional que machucava mais a mim do que a

qualquer outra pessoa! Em vez de viver uma vida tóxica e continuar a

destruir a mim mesma e minha família, comecei a praticar Filipenses

4:8 de propósito:

Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo é nobre, tudo o que é

direito, o que é puro, tudo o que é amável, tudo que é admirável, se há

algo de excelente ou digno de louvor, nisso pensai.

Eu fixei meus pensamentos nas coisas excelentes e quando Satanás

enviava monstros mentais para me lembrar do meu passado, eu ficava

na Palavra de Deus e praticava escrituras como 2 Coríntios 10:4-5:

Porque as armas da nossa guerra não são carnais, mas são poderosas em

Deus, para destruir fortalezas, derrubando argumentos e toda alta coisa

que se exalta contra o conhecimento de Deus, trazendo cada pensamento

cativo à obediência de Cristo.

Comecei a levar poderosamente cativo todo pensamento no nome de

Jesus. Qualquer coisa que não se alinhava com a Palavra de Deus era

abatida imediatamente até o chão. Praticando bons pensamentos de

propósito, eu não sabia que estava construindo a mente forte de uma

Campeã implacável. São vinte e um dias para se criar um hábito de

acordo com o meu Pastor, e o pensamento positivo começou a ser

natural para mim, e a bênção de Deus foi derramada em minha vida.

Eu comecei a realmente a apreciar a vida com minha família e comecei

a explorar a bela vida selvagem do estado de Washington onde nós

aprendemos a pescar salmão, cavar a procura de moluscos, ostras e

pescar caranguejos na rocha vermelha. A anos-luz de distância do

velho mundo de trevas, Deus usou Sua natureza requintada para curar

um pouco da menina quebrada em mim. Capaz de correr e brincar na

areia, eu vivi uma segunda infância nas margens do Puget Sound. Pás e

baldes na mão, minha família aventureira corria para cavar a procura

de moluscos.

Às vezes você tem que cavar fundo, pensei para mim mesma enquanto

tinha um molusco gigante na minha mão.

Deus usou as maravilhas de Sua natureza para falar comigo

profundamente, especialmente quando tentei a casca de ostras. Ávida

por finalmente comer frutos do mar novamente, eu tentei com toda

minha força abrir as ostras obstinadas, mas elas eram difíceis de abrir!

“Shelley, você é exatamente como essa ostra.” Deus me confrontou

sobre as áreas mais profundas da minha vida que eu não iria deixá-Lo

abrir e curar. Quando Garrett viu-me a caminhar sozinha sobre os

montes de areia, ele sabia que Deus estava me levando a um momento

de cura. Ficando à beira das águas salgadas do Puget Sound, eu permiti

que Deus chegasse aos lugares mais escuros do meu coração e

expusesse as mentiras feias que eu acreditava sobre mim mesma.

Enormes lágrimas salgadas se derramando como ondas, Deus me

garantiu que havia jogado fora os meus pecados, tanto quanto o leste é

distante do oeste. A vergonha e culpa tremenda que eu carreguei por

tantos anos foram sendo literalmente lavadas no Oceano Pacífico. Eu

não era mais uma criança quebrada pelo abuso sexual, mas uma

querida campeã e filha do Deus Altíssimo.

Meu pai fez os Céus, eu pensei às lágrimas sob o conforto macio das

nuvens de algodão branco. Espantada com a beleza que me rodeava, eu

me perguntava como alguém poderia negar a existência de Deus.

Então me abaixei para pegar uma bela estrela-do-mar de pernas longas

que flutuou até mim. Com os olhos arregalados e infantis, eu a escolhi

para inspecionar o movimento suave de suas pernas amigáveis.

Aliviada pelo deslizar suave, eu pensei sobre a gentileza de Deus.

“Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, que sou manso e

humilde de coração, e encontrareis descanso para as vossas almas.”

- Mateus 11:29

Eu encontrei descanso nos braços gentis de Deus durante as pacíficas

horas na praia. Provando-me Seu amor pessoal e grande para comigo,

comecei a entender o que o amor de um pai realmente era. Ao

contrário de meu pai terreno que estava ocupado demais, Deus estava

disponível, terno e preocupado com cada detalhe da minha vida.

Finalmente, recebi a atenção e aprovação que sempre precisei. Triste

com o que eu havia perdido de relacionamento com Deus no passado,

recapitulei os anos do passado que desperdicei buscando aprovação

dos homens no strip, na prostituição e na pornografia.

Que desperdício de oito anos, eu pensava enquanto miseravelmente

joguei uma concha quebrada no chão.

Mas Deus respondeu e prometeu-me de volta “Shelley, Eu prometo a

você que nem um grama de sua dor será desperdiçada. Eu tenho um

plano poderoso para sua vida e irei usar todo o seu sofrimento para

ajudar outros algum dia.” Eu agarrei Sua promessa.

A viagem de volta da praia para casa foi tão incrível como os dias que

passei lá. Uma abundância de altas árvores de ameixa e arbustos de

amoras verde-esmeralda ao lado das estradas, a nossa família gostava

de parar e saltar para fora do carro e pegar o fruto maduro e doce. Lar

de algumas das maiores e melhores amoras do mundo, o Estado de

Washington tornou-se um paraíso de frutas para minha família. Todos

os dias durante o verão eu empurrava o meu bebê no carrinho e levava

minhas filhas aos meus lugares favoritos para colher amoras. No final

da temporada, Garrett comprou para mim caixas com potes para geléia

com tampas e virei a cozinheira em uma fábrica de geléia. Eu

orgulhosamente chamava minha criação de doces saborosos, “Shelley’s

Jelly” (Geléia da Shelley) e enviei-a para meus entes queridos como

presentes de Natal.

As pessoas adoraram a minha geléia!

Quando o inverno se aproximava e eu disse adeus aos três meses de sol

que tiveram permissão para sair no ano, eu aprendi a não reclamar,

mas encontrar a beleza, mesmo durante os tempos de “inverno” da

minha vida. Ainda amando velas, as acendi e as coloquei sobre tudo na

minha casa para me lembrar da chama crescendo em meu coração. Já

não preciso de velas para abrigar-me de um mundo de trevas, mas

naquele momento elas serviram para me lembrar da constante chama

da Luz do Amor de Deus.

No meio da beleza do toque de cura de Deus em minha mente e vida,

Ele começou a tocar no meu casamento. Pela primeira vez desde 1995,

comecei realmente a amar Garrett. Eu nunca permiti a mim mesma me

tornar tão próxima de outro ser humano, especialmente depois toda a

dor e da rejeição ao longo da minha vida. Mas depois de cinco longos

anos de luta e cura do meu passado, meu coração de repente cresceu

grande o suficiente para amar e desfrutar de Garrett.

Porque primeiramente confiava em Deus, e já não me preocupava se

Garrett me deixaria. Porque o fundamento da minha confiança estava

no Deus da criação e não em um ser humano, eu estava livre para amar,

apreciar e até mesmo cometer erros em meus relacionamentos. Se eu

cometesse erros ou Garrett cometesse, juntos, sabíamos que estava

tudo coberto sob a cruz de Jesus Cristo. Deus já perdoou-nos pelos

pecados do passado, os atuais e até mesmo os futuros. Porque nós

aceitamos pela fé o sacrifício de Seu Filho Jesus, fomos autorizados a

livremente crescer em todas as áreas de nossa vida, especialmente o

nosso casamento!

Ser casada com Garrett, de repente se tornou a maior alegria de minha

vida. Eu era capaz de amá-lo livremente, sem lembretes hediondos do

meu passado. Com o quarto à luz de velas uma mente sóbria e curada,

eu aprendi como fazer amor a maneira de Deus, e não do jeito do

mundo. Com os belos olhos azuis de Garrett olhando profundamente

nos meus, eu permiti que ele tivesse pleno reinado sobre meu corpo e

coração. Na primeira vez, foi extremamente difícil para eu receber

física e emocionalmente o amor de Garrett, mas Deus me deu a força e

a liberdade de praticar o amor de recepção. Garrett e eu também

orávamos antes dos momentos íntimos e convidávamos Deus para

estar em nosso quarto. Sim, nós realmente convidamos Deus, o Criador

do sexo!

No começo eu chorava e soluçava como uma criança, mas enquanto

Deus me curava através dos toques ternos de Garrett, comecei a me

sentir mais confortável e ser capaz de retribuir abnegadamente

Garrett. Por vários anos, Garrett e eu ficamos longe do sexo íntimo e eu

ganhava, insistindo no sexo sem amor e frio com o qual eu estava

acostumada. Eu não deixava Garrett carinhosamente me beijar ou

olhar nos meus olhos nos primeiros anos de casamento. O sexo era

mais como um ritual para mim. Mas uma vez completamente sóbria eu

tinha o suficiente dos ensinamentos de Campeã dentro de mim, e

estava pronta para acabar com a “fachada” do sexo que nós tínhamos

tido e realmente permitir a Garrett fisicamente expressar seu amor por

mim. Eu deixei de lado a velha Shelley que nos levou durante os

primeiros cinco anos e a nova Shelley alegremente submissas às mãos

suaves de Garrett e juntos descobrimos a beleza do sexo sobrenatural,

cheio do Espírito Santo!

Amém, e louvado seja o Senhor!

Em brasa o lindo amor estava no ar e 1 Coríntios 13 provou 100% ser

verdadeiro quando nós praticamos os princípios de Deus sobre o amor

de propósito:

O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não é

orgulhoso. Não é rude, não é egoísta, não se irrita, não guarda rancor. O

amor não se alegra com o mal, mas se alegra com a verdade. Ele sempre

protege, sempre confia, tudo espera, sempre persevera. O amor nunca

falha.

Nosso amor não falha porque a Palavra de Deus nunca falhou.

Exatamente como a ascensão e a queda das marés do oceano durante a

temporada de moluscos, a poderosamente construída dentro de mim,

Palavra de Deus, lançou ondas de Verdade sobre as costas da minha

vida. Cada mentira foi lavada e varrida para trás no mar do

esquecimento de Deus, a Palavra de Deus voltou-se para mim com a

mesma coisa para a qual foi enviada: para cumprir o Seu propósito

para minha vida.

Levada pelas ondas da fidelidade e bondade de Deus, eu estava

finalmente pronta para entrar na vida Campeã que Ele havia preparado



para mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário