domingo, 22 de janeiro de 2017

Leitura do livro "Diga aos "Mórmons que EU os amo" - Capítulo 06

Capítulo 6 – e Deus criou... Deus?


Parte 1-Nosso Deus... que alívio!

Simplesmente Incomparável... Simplesmente Deus.

(...) o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. (Romanos 1: 19)

Que alívio nos causa saber que a despeito do que os homens digam, nosso Deus é o Todo Poderoso, o Pai da Eternidade, o Deus Criador, o Senhor de todas as coisas, nenhum desses títulos foi conquistado por Ele, eles lhe pertencem naturalmente.

Fazem parte do caráter Dele. Ele é Deus tanto quanto você e eu somos humanos, Ele é tão Imortal quanto nós somos mortais. Ele é tão Santo quanto nós somos pecadores. Ele é tão perfeito quanto somos falhos. Ele é tão Criador quanto nós somos criaturas. Ele é tão Soberano quanto todos nós secamos como a erva. Ele é tão Eterno quanto nós desvanecemos como o vapor da manhã. Ele é incomparável:

Senhor, tu me sondas e me conheces. Sabes quando me assento e quando me levanto; de longe penetras os meus pensamentos. Esquadrinhas o meu andar e o meu deitar e conheces todos os meus caminhos. Ainda a palavra não me chegou à língua, e tu, Senhor, já a conheces toda. Tu me cercas por trás e por diante e sobre mim pões a mão. Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim: é soberano e elevado, não o posso atingir. (Salmos 139: 1- 6)

O Seu trono jamais poderá ser tomado por outro ser, porque não há nenhum, que possa lhe apontar o dedo em afronta. O Seu reino é tão glorioso que jamais poderá ser vencido por qualquer coisa, pois todas as coisas estão sob o Seu domínio absoluto. Tudo foi criador por Ele, e “nada” fica fora desse “tudo”. Ele não precisa pedir o ar para respirar, mas o dá a todos nós para que respiremos. Ele não precisa de comida para se manter, mas é o que dá alimento a todos os seres que criou.

Tu, sim, tu és terrível; se te iras, quem pode subsistir à tua vista? (Salmos 76:7)

Consegue imaginar isso? Compreender os pensamentos de um ser Glorioso como Ele? Ele é Deus, e não há outro semelhante, não há nada na existência que possa sequer comparar-se a Deus, o Todo Poderoso, Altíssimo. Não há alguém que possamos observar e dizer: -“Veja, como fulano (a) me lembra de Deus, ele é tão eterno quanto Deus!” Não... Não há nada nem ninguém que se compare a Ele.

Quem há, como eu, feito predições desde que estabeleci o mais antigo povo?

Que o declare e o exponha perante mim! (Isaías 44:7)

Ele se denomina: EU SOU! O único ser em todo o Universo, em toda a existência, que é Deus, é Ele. O que fascina no caráter de Deus é o Amor. Ele é Amor! Essa é a melhor notícia que nós poderíamos ter! Temos um Deus de Amor! Já parou para pensar como seria nossa vida se Lúcifer fosse deus? Alguém tão cruel. Se tivéssemos um Deus malvado, como seriam as coisas? Mas Ele é Amor, é Fiel. Pense um minuto sobre isso, sobre o Amor lindo Dele por nós, sobre sua misericórdia:

Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado. Achegue-mo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça,  a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna. (Hebreus 4: 15-16)

Isso é lindo, é magnífico! Ele é Deus, e se compadece de nós! Glórias a Deus por isso! Esse Deus é o nosso Deus... Que alívio!

Eu sou o Senhor, e não há outro; além de mim não há Deus; eu te cingirei, ainda que não me conheces. Para que se saiba, até ao nascente do sol e até ao poente, que além de mim não há outro; eu sou o Senhor, e não há outro. (Isaías 45: 5,6)

“A Exaltação” rima com “A Confusão”

Não se contentando com o caráter lindo e santo de Deus, Smith inventou outro tipo de deus. E para defini-Lo, Smith usou um critério bastante simples: ”Deus foi um homem, e hoje é um deus”. Esse deus/homem, após sua suposta morte num outro “planeta terra” em que vivia, teria sido recebido nos céus pelo seu “criador”, que lhe conferiu a “Exaltação”, ou seja, o título, ou cargo de “deus”. Então, segundo Smith, Ele não é deus por natureza, ele foi “feito deus” por outro ser superior. E já que o deus de Smith é um homem, usarei a letra minúscula quando estiver me referindo a esse deus/homem. O deus de Smith é um homem com “super poderes”, que deve satisfações a outro deus acima dele, que por conseqüência também deve satisfações a outro deus, e assim por diante por toda a existência, e ninguém sabe onde isso termina, ou começa, enfim, vamos ao deus/homem de Smith:

“Essa foi a maneira como o Pai Celestial se tornou Deus. Joseph Smith ensinou: ”O primeiro princípio do evangelho é conhecermos com toda a certeza o caráter de Deus (...) Ele já foi um homem como nós; (...) o próprio Deus, o Pai de todos nós, habitou sobre uma Terra, tal como o próprio Jesus Cristo o fez.” (Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, p 337) - (Texto extraído do livro: “Princípios do Evangelho, Capítulo 47 pg 305)

Consegue imaginar um humano, como eu e você, que nasce, cresce, e vive num Planeta (pode dar a esse Planeta o nome que quiser), precisa dormir e comer, fica doente, e depois de morrer (porque ele não é eterno), vai para “um” céu, e lá é recebido por “um deus” (ele não é soberano), que lhe dá um cargo... o “cargo” de deus?

“O próprio Deus foi como somos agora, e é um homem exaltado e está entronizado nos céus! Esse é o grande segredo. Se o véu fosse rasgado hoje e o grandioso Deus que mantém o mundo em sua órbita, que sustenta todos os mundos e todas as coisas com Seu poder, Se tornasse visível- se vocês pudessem vê-Lo hoje, veriam que é semelhante ao homem na forma-como vocês em toda a pessoa, imagem e forma do homem. (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja- Joseph Smith, Cap02 pg 43,44; Edição de 2007)

Isso é um engano para seduzir mentes ambiciosas de poder. Alguns SUD, quando estão argumentando sobre essa doutrina, costumam perguntar a você: ”Filho de peixe é o quê?” E esperam que você responda: “É um peixe!” Para que então digam: “Sim, então filhos de Deus são Deuses”. Porém essa lógica, além de ser uma lógica HUMANA, é errada, e não pode ser aplicada no conceito: Deus/humanidade. Os SUD têm o costume de comparar “coisas espirituais” com “coisas carnais”. E coisas espirituais são de fato incomparáveis a coisas carnais.

Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente. Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais. Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.(1 Coríntios 2:12-14)

Esse homem/deus, após chegar ao céu, começa a ter relações com sua esposa (sim, ele é casado, como todo “bom” ser humano), e dessas bilhões de relações, lhe nascem bilhões de “Filhos Espirituais”, e sabe quem são eles? Nós... Isso mesmo! Na teoria de Smith, nós já tínhamos nascido em um céu antes de termos um corpo nesta Terra.

Após ter inumeráveis filhos espirituais com sua esposa, o homem/deus deseja que todos os seus filhos tornem-se deuses, como ele um dia se tornou. Para que isso seja realidade, esse homem/deus montou um plano chamado plano de “Exaltação” (você leu corretamente, não é o plano de Salvação) segundo o plano de Exaltação, todos os filhos obedientes desse homem/deus, poderiam ser “exaltados” ao cargo de deus, tal qual ele foi:

“Exaltação é vida eterna, o tipo de vida que Deus vive. Ele habita em grande glória, é perfeito, possui todo o conhecimento e toda a sabedoria. É pai de filhos espirituais e é um criador. Podemos tornar-nos como o Pai Celestial, e isso é exaltação. (...) seremos exaltados como o Pai. A exaltação é o maior dom que o Pai Celestial pode dar a Seus filhos.” (Princípios do Evangelho, Capítulo 47, pg 302)

Essa teoria de Smith a respeito da Exaltação de seu deus/homem, e da exaltação do próprio homem é mais confusa do que se pode imaginar, faremos então algumas perguntas que ajudarão no raciocínio:

-Quem criou o deus de Smith? Resposta: Outro deus acima dele.

-E quem criou o deus “que criou” o deus de Smith? Resposta: Outro deus acima dele, e assim por diante.

-Quem foi o “primeiro deus”? Resposta: Smith “pede ajuda dos Universitários”.

- Por que o deus de Smith foi exaltado? Resposta: Porque segundo Smith, ele foi um bom homem enquanto viveu numa Terra, com sua esposa e filhos. Pois ser casado, é um dos requisitos para a Exaltação. E, já que era obediente, recebeu a Exaltação.

-Onde estão a esposa e os filhos desse deus de Smith? Resposta: A esposa, segundo Smith, está com ele nos céus, os filhos que ele teve na tal Terra antes de morrer e tornar-se deus, só Smith sabe, porque eles nunca mais foram citados.

“Meu principal objetivo é descobrir o caráter do único Deus sábio e verdadeiro e que tipo de ser ele é (…) O próprio Deus foi como somos agora, e é um homem exaltado e está entronizado nos céus! Esse é o grande segredo”. (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja- Joseph Smith. Cap. 2, pg 44; Edição de Agosto de 2007)

Aqui Joseph se contradiz no que ensinou. Se ele disse que seu objetivo era descobrir o caráter do “único Deus sábio e verdadeiro”, onde ficou a sabedoria do outro deus que teria exaltado o seu deus? Se esse homem/deus é o “ÚNICO” sábio e verdadeiro, não pode haver mais nenhum outro “sábio e verdadeiro”! Smith ensinou que ele é um “homem exaltado”, mas, para que ele fosse “exaltado” deveria haver outro deus lá para lhe conceder a tal “exaltação”! Se houve uma “exaltação”, ela ocorreu por mãos de outro deus “mais sábio e mais inteligente”, logo, o deus de Joseph não é o “único” deus sábio, já que além dele existem outros bilhões de deuses.

Livro de Mórmon: rejeitando os Ensinamentos de Joseph Smith O próprio Livro de Mórmon, supostamente traduzido por Joseph Smith das tais placas, rejeita por completo a idéia dessa pluralidade de deuses:

(...) existe um Deus e ele criou todas as coisas, tanto os céus como a Terra (...) - (Livro de Mórmon - 2Néfi 2:14 – Grifo meu)

Não há então espaço para o outro deus que o exaltou. Há entretanto um Deus e ele é Cristo.(Livro de Mórmon - 2 Néfi 11:7 – Grifo meu)

(...) o Senhor Onipotente que reina, que era e é de toda eternidade para toda a eternidade (...) (Livro de Mórmon -Mosias 3:5)

Se ele é de eternidade para eternidade, em que momento foi criado por outro deus, na sua “Terra”? Chega de argumentações fracas, do tipo: ”Temos que interpretar da maneira correta os textos do Livro de Mórmon”. Vamos aceitar os fatos que estão expostos ali!

Se eu digo em uma aula de Geografia que o único País do mundo com o nome de Brasil, é de fato o Brasil, como posso afirmar depois que existe “outro Brasil” na Ásia? Isso é irracional! Se o Livro de Mórmon ensinou que só existe UM Deus (2 Néfi 2:14), existe Um Deus e “ponto final”, é irracional Smith tapar os olhos para uma realidade do seu próprio livro e depois tentar introduzir a pluralidade de deuses! Não há coerência nisso! Ou existe apenas um deus ou não existe. Smith ficou “em cima do muro”!

Parte 2 – Eu creio!

Eu creio no Deus Todo Poderoso que jamais foi criado, jamais nasceu, jamais surgiu, jamais começou, porém sempre existiu sendo o que é: Deus. Creio na Onipotência, e auto-suficiência plena e absoluta desse Ser Santo, que chamo de Deus. Creio que nós todos, seres humanos CRIADOS, que tivemos um "começo", somos totalmente incapazes de compreender a gloriosa condição de ETERNO do Senhor Deus e, tentamos inutilmente "inventar um começo" para o SER que jamais começou, mas sempre existiu.

Creio que jamais Ele aprendeu algo, creio que SEMPRE foi o que é, ou seja, o Deus que sabe todas as coisas. O Senhor Onisciente. Creio que Ele jamais pediu ajuda a qualquer um, portanto, é o único SER em toda a imensidão da criação, que carrega em seu SER SANTO o título de ONIPOTENTE. Creio que jamais Ele recebeu algo de alguém, para retribuir, e esse "algo", inclui a Vida, portanto creio que Ele é o AUTOR da Vida, o Dono da Vida, e jamais a recebeu de alguém, mas Ele, de si mesmo a dá. É nisso que eu creio:

Deus não tem Pai:

Quem, pois, conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi o seu conselheiro? Ou quem primeiro deu a ele para que lhe venha a ser restituído? Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém! (Romanos 11: 34-36)

Pois, quando Deus fez a promessa a Abraão, visto que não tinha ninguém superior por quem jurar, jurou por si mesmo, dizendo: Certamente, te abençoarei e te multiplicarei. (Hebreus 6: 13,14)

Creio na absolutíssima posição de REI do UNIVERSO que Deus ocupa. Não tendo qualquer outro ser acima de si mesmo, em momento algum. Creio que NUNCA houve um momento em que "uma luz brilhou e Deus brotou". Não! Creio que ELE SEMPRE EXISTIU exatamente como é:

Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre. (Hebreus 13:8) 

Creio, portanto, num ser chamado Deus, que jamais "galgou" posição de poder, mas SEMPRE a ocupou.

A mente humana não entende Deus, nem por isso é preciso explicá-Lo... Ele é Soberano, a fonte da vida, o Autor da Criação... O Deus Todo Poderoso que eu amo!

Isso nosso cérebro não entende, mas não é por isso que iremos negar esses fatos. Deus tem todo o Poder, Ele é o Poder em pessoa. Ele se apresenta a nós como o “Todo Poderoso”:

Eu sou o Alfa e o Ômega, diz o Senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo Poderoso. (Apocalipse 1:8)

Ele é o Criador, nada o criou, mas tudo passou pelas suas mãos, Ele nunca passou pelas mãos de ninguém. Ele é Aquele que sustenta toda a vida com Sua mão, e não precisa que ninguém o sustente.

Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez. (João 1:3)

Ele é o Dono da Vida, porque é a Vida em Pessoa! Ele é o único que pode dizer de si mesmo:

Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. (João 14:6)

Ele jamais precisou de alguém o ajudando, jamais pediu perdão a alguém porque nunca pecou, jamais sentiu cansaço, porque Ele é a força em pessoa.Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém! (Romanos 11: 36)

Esse é o nosso Deus!

Parte 3 – Amnésia divina – M.I.B. - O apagão espiritual Quem assistiu o filme M.I.B. – Homens de Preto, está lembrado que eles tinham um aparelho que ao ser pressionado, emitia um flash, e a pessoa que estivesse diante do flash esquecia imediatamente as coisas que tinha visto, era algo como uma amnésia.

O deus/homem de Smith tem um aparelho semelhante. Para Smith, nós sofremos um apagão espiritual, foi algo como uma “amnésia divina”. Nós já morávamos com esse deus/homem lá no céu, antes de nascermos aqui no nosso Planeta. Tínhamos uma vida perfeita e linda, até que esse deus/homem achou que “seria legal” que nós também evoluíssemos ao cargo de deus como ele mesmo evoluiu. Esse ensinamento de Smith é chamado de “Vida Pré-mortal”:

Eu sou Deus; eu fiz o mundo e os homens antes que existissem na carne. (A Pérola de Grande Valor - Moisés 6:51)

Viemos a este mundo com o objetivo de obter um corpo e poder apresentá-lo puro diante de Deus no reino celestial. O grande plano de felicidade consiste em ter um corpo. O diabo não tem corpo, e esse é seu castigo. Ele fica contente quando pode obter o Tabernáculo de um homem e, quando foi expulso pelo Salvador, pediu para entrar numa manada de porcos, mostrando que preferia o corpo de um suíno a não ter corpo algum. Todos os seres com corpos possuem domínio sobre os que não os têm. (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja, Capítulo 17 pg 220 – Edição 2007)

Como Smith sempre deturpou passagens Bíblicas interpretando-as ao seu bel prazer, para tentar assegurar a credibilidade de sua falsa doutrina da Vida pré-mortal, ele tirou fora de contexto o seguinte versículo:

(...) quando as estrelas da alva, juntas, alegremente cantavam, e rejubilavam todos os filhos de Deus? (Jó 38:7)

Smith diz que nós somos os tais “filhos de Deus” citados no versículo, e que esse versículo “prova” que estávamos com Deus na tal vida pré-mortal. Analisaremos o versículo dentro do contexto para que possamos compreender seu real significado.

Voltaremos agora, nossa atenção para um pequeno detalhe: O ponto de interrogação que existe no final da frase. Sim, é um mero detalhe, que faz toda a diferença. Ele indica que está acontecendo um diálogo entre duas pessoas, e a primeira pessoa (que nesse caso é Deus) está perguntando algo à outra pessoa (Jó).

Deus pergunta:

Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Dize-mo, se tens entendimento. Quem lhes pôs as medidas, se é que o sabes? Ou quem estendeu sobre ela o cordel? Sobre que estão fundadas as suas bases ou quem lhe assentou a pedra angular,quando as estrelas da alva juntas alegremente cantavam, e rejubilavam todos os filhos de Deus?(Jó 38:4-7) – Grifo meu.

Pode-se perceber que Deus está questionando a Jó: “Onde estavas tu?” Ora, se Jó estivesse incluso entre os tais “filhos de Deus”, que lógica teria tal pergunta? Jó simplesmente responderia: “Senhor, lembra-se que eu estava junto contigo, cantando e rejubilando na vida pré-mortal? Lembra-se Senhor que eu já estava lá no céu com todos os meus irmãos espirituais?” Esse é um momento da criação em que Jó não existia, por isso, para que ele reflita sobre seus argumentos, Deus o questiona: “Onde estavas tu?” Em outras palavras, Deus está dizendo: ”Jó, se você é tão entendido assim dos assuntos, me responda: - “Onde estavas tu?”E para completar, Deus ainda “provoca” a Jó:

(...) Tu o sabes, porque nesse tempo eras nascido e porque é grande o número dos teus dias! (Jó 38: 21)

Jó, depois de ouvir Deus falar por quatro capítulos inteiros, responde: (...) na verdade, falei do que não entendia; coisas maravilhosas demais para mim, coisas que eu não conhecia. (Jó 42:3)

Jó admitiu que não sabia, e se ele não sabia, é por que não estava incluso no tal grupo de “filhos de Deus que rejubilavam”. Isso anula por completo a doutrina de vida pré-mortal. Era muito comum na vida de Smith, a tática de pegar versículos isolados, e montar uma doutrina em cima desses versículos, desprezando completamente o contexto em estavam inseridos. A maioria do SUD não lê a Bíblia então aceitam as doutrinas de Smith sem questionar, quando na realidade, elas são montadas em cima de versículos mal interpretados. Outro versículo bíblico que é um dos favoritos dos líderes SUD, é citado por Deus ao Profeta Bíblico Jeremias:

Antes que eu te formasse no ventre materno, eu te conheci, e, antes que saísses da madre, te consagrei, e te constituí profeta às nações. (Jeremias 1:5)

Os líderes SUD gostam de dizer que aqui está a “prova” de que existiu a tal “Vida pré-mortal”, pelo simples fato de Deus ter dito a Jeremias que o tinha escolhido “antes” de formá-lo no ventre. Bem, não posso deixar de comentar sobre isso, porque quando uma escritura Bíblica interessa aos SUD, aí sim, ela esta traduzida “corretamente”, mas quando ela desabona os ensinos de Smith, então está “contaminada”. Ou seja, quando convém, a Bíblia está certa, quando não convém, está errada.

Mas, esse texto não prova de forma alguma que houve Vida pré-mortal, visto que Deus é Onisciente e conhece o fim desde o princípio. Não é pelo fato de Deus ter narrado o Apocalipse que ele já aconteceu certo? Então não é pelo fato de Deus ter ungido e nomeado Jeremias antes de formá-lo, que Jeremias já vivia com Deus.

Esse chamado, e consagração são simbólicos, e não literais. Deus não chamou Jeremias numa reunião no céu, e o ungiu como Smith gostaria que fosse. Esse texto foi a revelação de uma decisão que Deus já tinha tomado antes de formar Jeremias.

Tanto é que Deus diz na continuação do diálogo (sim, existe uma continuação que os líderes SUD não citam!)

Olha que hoje te constituo sobre as nações e sobre reinos (...) (Jeremias 1:10)

“HOJE”, é o dia em que Deus falou a ele, e não anos luz antes na “esfera pré-mortal”.

Poderíamos então usar contra Smith, o seguinte versículo, que mostra um diálogo entre Deus e o profeta Isaías, dando um recado a Ciro:

Eu sou o Senhor, e não há outro; além de mim não há Deus; eu te cingirei, ainda que não me conheces. (Isaías 45:5)

Deus não diz a Ciro: “Veja bem, você já me conheceu antes, na vida pré-mortal só não está se lembrando disso”.

Outro fato que podemos ressaltar, é que em toda a história do Novo Testamento, a Bíblia deixa claro que nós fomos adotados por Deus como filhos. Ninguém adota quem já é seu filho. Que explicação será que Smith nos daria sobre esses versículos:

(...) Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos. (Gálatas 4: 4, 5) – Grifo meu.

Contradição entre “profetas” SUD: Joseph Fielding Smith, outro profeta que liderou a Igreja SUD disse:

“O homem, como espírito, foi gerado e nasceu de pais celestiais, tendo crescido até a maturidade nas mansões eternas do Pai, antes de vir à Terra num corpo físico.” [Joseph F. Smith, “The Origin of Man”, (A Origem do Homem)

Improvement Era, Nov. de 1909, PP. 78,80]- (Texto extraído do Livro Princípios do Evangelho, Capítulo 02 pg 11) – Grifo meu.

Bem, o próprio Smith contradisse isso, ensinando que nós JAMAIS nascemos, mas existimos desde SEMPRE:

“(...) o espírito imortal. De onde veio? Todos os homens instruídos e doutores em teologia dizem que Deus o criou no princípio; mas não é verdade: A própria idéia rebaixa o homem na minha opinião. Não creio na doutrina; sei que está errada. Ouçam, todos os confins do mundo, porque Deus assim me disse; e se não acreditarem em mim, isso de nada afetará a verdade. (...) Nunca houve uma época em que não houvesse espíritos (...) (Ensinamentos do Presidentes da Igreja – Joseph Smith; Capítulo 17, pg 218, 219) – Grifo meu.

Ao que nos parece Joseph Fielding Smith “não acreditava” na doutrina de Smith!

Mas cria que o espírito do homem foi “gerado” por “pais celestiais”... Smith protesta:

Cito Joseph Smith: “A própria idéia rebaixa o homem na minha opinião”. Que bom que a opinião de Smith nunca foi requisitada por Deus: Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como trapo da imundícia; todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniqüidades, como um vento, nos arrebatam. (Isaías 64: 6)

O homem é como um sopro; os seus dias, como a sombra que passa. (Salmos 144: 4)

Posso até imaginar Smith de braços cruzados, com semblante contrariado, como aquelas crianças que são corrigidas pelos pais, dizendo dessa passagem bíblica:

“Essa idéia rebaixa o homem na minha opinião”. Sim, e é esse mesmo o lugar do homem! Quanta mania de deidade Smith tinha no seu coração contaminado pela soberba!

Que é o homem, que dele te lembres? Ou o filho do homem, que o visites? (Hebreus 2:6)

Parte 4 – Obrigado... Satanás?

E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos. (Atos 4: 12)

Você deve estar se perguntando, onde estava o Diabo, ou os anjos a essa altura não? Não precisa de muita explicação, pois Smith também “simplificou” a história dos anjos, e do Diabo... Sim, e sabe que posto ele deu ao Diabo? De filho de Deus, como o Senhor Jesus. Exatamente! Segundo a teoria de Smith, deus (o deus/homem) ao se relacionar sexualmente com sua esposa, teve seu Primogênito:

Jesus, e teve o Diabo também! Smith colocou a mim, a você, ao Diabo, e o pior, ao Senhor Jesus, no mesmo saquinho, e rotulou: ”Filhos de Deus”. Todos nós. Em pé de igualdade com o Senhor Jesus e com o Diabo! Segundo Smith, nós e o Senhor Jesus somos diferentes -apenas- na ordem hierárquica de nascimento. O Senhor Jesus – apenas- nasceu antes de nós, essa é a única diferença. Por isso, em escritos SUD, é raríssimo lermos a expressão “Senhor Jesus”. Pois Jesus é “um qualquer” como nós, e não tem o título de SENHOR. Ele é apenas “Jesus Cristo”.

Agora, o ser que mais odeia a humanidade, que quando vê uma pessoa preparando sua overdose de drogas para cometer suicídio, abre um sorriso, quando está vendo uma mãe jogar seu bebê em um saco de lixo e lançá-lo em uma lagoa, ele não se compadece, mas aplaude. O ser que se deleita em assassinatos, que quer o maior número possível de pessoas no mesmo castigo eterno que está destinado a ele.

Esse ser, ganhou de Smith um papel que deve até hoje estar colocando um sorrisinho em seu rosto. Afinal, Smith igualou o Diabo ao Senhor Jesus Cristo. E pior, ensinou que o Diabo disputou com o Senhor Jesus Cristo para ser nosso Salvador! Ou seja, teríamos que olhar para o Diabo e dizer: “Obrigado Satanás!”

Consegue imaginar o Diabo morrendo na Cruz por nós? Pois Smith conseguiu! Ele deu ao Diabo o mérito de ter desejado nosso bem algum dia, desejado ser nosso salvador...

“Entendemos que teríamos de deixar o lar celestial por algum tempo. Não viveríamos mais na presença de nossos pais celestes. (...) O Pai Celestial conhecia e amava todos nós. Ele sabia que precisaríamos de ajuda; assim, planejou um meio de auxiliar-nos. (...) Nosso irmão mais velho, Jesus Cristo, que se chamava Jeová, disse: “Eis-me aqui, envia-me” (...) Ele, como o Pai Celestial, desejava que decidíssemos se obedeceríamos aos mandamentos do Pai Celestial. Sabia que era necessário que fôssemos livres, a fim de nos tornarmos dignos da exaltação. Satanás, que se chamava Lúcifer, também apresentou-se e disse: ”Eis-me aqui, manda-me e serei Teu filho e redimirei a humanidade toda, de modo que nem uma só alma se perderá, e sem dúvida, o farei;portanto, dá-me Tua honra.” (Princípios do Evangelho, Capítulo 3, pg 17, 18)

Segundo Smith, o Diabo não foi o escolhido, porque queria redimir TODA a humanidade, e Jesus apenas ALGUNS. Quão bondoso era esse Diabo de Smith não? Mais bondoso do que o Senhor Jesus. Na imaginação de Smith, havia dois “candidatos” a Salvador, de um lado, o “egoísta Jesus Cristo”, que queria morrer, mas salvaria apenas alguns, do outro lado, o “candidato dos candidatos”, o bondoso diabo, que queria generosamente redimir TODA a humanidade. E Deus, optou por Jesus Cristo, porque queria que a humanidade “escolhesse livremente” servi-Lo.

Falando agora no motivo que causou a queda do Diabo de seu posto no céu, Smith tem duas versões para o fato, cada um escolhe a que mais lhe agradar:

A Queda do Diabo – Primeira Versão de Smith

Em virtude de nosso Pai Celestial haver escolhido Jesus Cristo para ser nosso Salvador, Satanás ficou zangado e rebelou-se. Houve guerra no céu. Satanás e seus seguidores lutaram contra Jesus e seus seguidores. Nesta grande rebelião, Satanás e todos os espíritos que o seguiram foram afastados da presença de Deus e expulsos dos céus. Um terço dos espíritos celestes foram punidos por seguirem Satanás, sendo-lhe negado o direito de receber um corpo mortal. (Princípios do evangelho, Capítulo 3. pgs 18, 19) 

Mais adiante você entenderá que esse “um terço de todos os espíritos” que seguiram a Satanás, são os demônios, e o restante são as pessoas de cor negra, (Veja o Capítulo 09 – Negros- A cor do Sacerdócio) que vários profetas SUD ensinaram terem sido pessoas “menos valentes” na vida pré-mortal, que conseqüentemente, como “castigo” por sua covardia, receberam a pele de cor negra.

A Queda do Diabo- Segunda Versão de Smith: Agora que você está familiarizado (a) com a idéia de que Satanás foi expulso por querer ser nosso Salvador sem nos dar livre escolha, vamos para a segunda versão da história. Isso mesmo há uma contradição na história da queda de Satanás contada por Smith, essa foi a primeira, a segunda está no Livro de Mórmon:

Como caíste do céu, ó Lúcifer, filho da manhã! Foste lançado por terra, tu, que debilitavas as nações! Pois disseste em teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono; no monte da congregação também me assentarei, nos lados do norte. Subirei acima das alturas das nuvens; serei semelhante ao Altíssimo. Contudo serás precipitado no inferno, para os lados do abismo. (Livro de Mórmon - 2 Néfi 24: 12-15)

Para aqueles que estão familiarizados com a Bíblia, essa passagem já é conhecida. Na verdade, parece que Smith a copiou diretamente da Bíblia, alterando ligeiramente algumas coisas. Porém, o mais interessante nessa história do Diabo, é que há duas versões para sua queda. E nessa, ele foi expulso porque queria colocar “seu trono no monte da congregação e ser semelhante ao Altíssimo”. Nada de disputas com Jesus para ser o nosso “salvador”... Até hoje nenhum líder SUD é claro quanto a qual das versões é a válida para Smith. Mas, para nós a única verdade está na Bíblia, lá também temos algumas narrativas da Queda do Diabo, a diferença, é que as narrativas bíblicas não se contradizem, mas nos contam que ele foi expulso pelo mesmo motivo, orgulho:

Estavas no Éden, jardim de Deus; de todas as pedras preciosas te cobrias: o sárdio, o topázio, o diamante, o berilo, o ônix, o jaspe, a safira, o carbúnculo e a esmeralda; de ouro se te fizeram os engastes e ornamentos; no dia em que foste criado, foram eles preparados. Tu eras querubim da guarda ungido, e te estabeleci; permanecias no monte santo de Deus, no brilho das pedras andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado até que se achou iniqüidade em ti. (Ezequiel 28: 13-15)

O Apóstolo Paulo, escrevendo a Timóteo, ainda ressalta que o motivo da queda do Diabo foi a soberba, e o cita como comparação:

É necessário, portanto, que o bispo seja irrepreensível, esposo de uma só mulher. (...) não seja neófito, para não suceder que se ensoberbeça e incorra na condenação do diabo. (1 Timóteo 3: 2,6) – Grifo meu.

Eis aí o motivo da condenação do Diabo: orgulho, soberba.

Derribada está na cova a tua soberba, e, também, o som da tua harpa; por baixo de ti, uma cama de gusanos, e os vermes são a tua coberta. Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitava as nações!Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao altíssimo. Contudo, serás precipitado para o reino dos mortos, no mais profundo do abismo. (Isaías 14: 11-15) – Grifo meu.

Em momento algum lemos na Bíblia alguma história a respeito do Diabo desejando ser nosso salvador.

Sede sóbrios e vigilantes. O Diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar; (1 Pedro 5: 8)

O Diabo é nosso maior inimigo, jamais houve em seu coração amor por qualquer ser humano. Ele é o egoísmo em pessoa. Ele desgraçou a vida dos anjos que escolheram segui-lo, ele os enganou, e é isso que deseja fazer com cada ser humano: enganar, para aprisionar eternamente no mesmo tormento reservado a ele, o Lago de Fogo e enxofre.

O diabo, o sedutor deles, foi lançado para dentro do lago de fogo e enxofre, onde já se encontram não só a besta como também o falso profeta; e serão atormentados de dia e de noite, pelos séculos dos séculos. (Apocalipse 20: 10)

O leitor verá que Smith comete contradições com muita freqüência. Apesar de ter dito que foi o tradutor do Livro de Mórmon, ele mesmo ensina coisas que contradizem os ensinamentos do livro que disse ter traduzido “pelo dom e poder de Deus”. (Ver Capítulo 07- O jogo dos sete erros, ou dos 3.193 erros?)

Verdade Imutável: Jesus o Único apto a nos salvar.

Jesus é o único capaz de nos prover a salvação, vejamos fatos relativos à natureza única e divina de Jesus. Eles farão distinção entre o Jesus pregado por Joseph Smith (que era apenas um a mais entre os vários filhos espirituais do deus/homem), do verdadeiro Senhor Jesus, o Filho Unigênito do Pai.

Fato 1- Jesus é o único apto a nos salvar porque jamais foi Criado.

Um fato básico e que precisa ser aceito antes de tudo, é que Jesus co-existe no Pai desde a eternidade. Note bem a palavra usada: ”Aceito”. Não precisamos “entender”, temos que “aceitar” que Jesus está no Pai desde sempre. Temos simplesmente que aceitar esse fato, porque transcende nossa capacidade humana de raciocínio, e são coisas espirituais, que não podemos compreender com nossa mente carnal.

Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. (1Coríntios 1:14)

A respeito de Jesus, o escritor aos Hebreus diz:

(...) tendo-se tornado tão superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles. Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei?(...) (Hebreus 1: 4, 5)

O que chama nossa atenção nessa afirmação tão séria de Deus a respeito do Senhor Jesus, é que Deus Pai, separou o Senhor Jesus de uma forma bem clara das demais criaturas (anjos). Em momento algum, o Senhor Jesus é posto em pé de igualdade com os anjos. Muito pelo contrário, aos anjos é ordenado que o adorem.

(...) ao introduzir o Primogênito no mundo, diz: E todos os anjos de Deus o adorem. (Hebreus 1:6)

Outra observação que nos chama a atenção e esclarece de uma vez por todas o “surgimento” do Senhor Jesus está na expressão: “Eu hoje te gerei”.

“Eu”- Ao usar o pronome pessoal “Eu”, Deus exclui totalmente uma possível “esposa” espiritual, senão teria usado a expressão ”Nós hoje te geramos”. Deus, o Pai está sozinho neste momento da Eternidade.

“Te gerei” – A palavra gerar tem um significado diferente da palavra criar:

Criar: 1. Dar existência; 2. dar origem a; 3. Nascer, originar-se;

Criatura: 1. Coisa ou ser criado.

Louvado seja Deus que o Senhor Jesus não se encaixa em nenhuma dessas descrições: Ele jamais foi criado, Ele foi gerado.

Gerar: 1. Causar; 2. Produzir; 3. Desenvolver.

Para simplificar as coisas: criar é fazer algo do nada. Gerar é fazer algo de uma matéria prima que já existe, ou seja, o que aconteceu com o Senhor Jesus foi mais ou menos o seguinte (usarei palavras humanas para explicar):

Em algum momento da eternidade, Deus Pai, tirou uma porção de sua essência, ou seja, Sua Onipotência, Onipresença e Onisciência, colocou diante de Si, e disse: “Tu és meu Filho, eu hoje te gerei”.

Podemos usar como exemplo a energia elétrica. Ela não é criada, mas gerada. Para gerar energia elétrica, precisamos de água, a água é a matéria prima que gera energia. Sem a água, não haveria energia elétrica. Jesus foi gerado da “matéria prima” Deus Pai. Ele foi gerado de algo que já existia e sempre existiu, que é a essência do próprio Pai, por isso Jesus afirmou:

Se vós me tivésseis conhecido, conheceríeis também a meu Pai. Desde agora o conheceis e o tendes visto. Replicou-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta. Disse-lhe Jesus: Filipe há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido?Quem me vê a mim vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras. (João 14:7-10)

Esse texto é bastante esclarecedor quanto a Jesus estar no Pai, e o Pai Nele. Fica claro agora para nós, que o Senhor Jesus é o único Filho de Deus, carregando consigo, o título de Deus Filho. Esse caso (do Senhor Jesus e Deus Pai) pode SIM, ser comparado ao famoso ditado “Filho de peixe, peixe é”... Filho de Deus, Deus Filho é. Há uma diferença entre ser Deus Filho, o Filho Unigênito de Deus, ”posto” ocupado exclusivamente pelo Senhor Jesus, e ser filho de Deus, como nós: criado do pó da terra e adotados por Deus. São coisas completamente diferentes.

Fato 2- Jesus é o único apto a nos salvar porque é o Unigênito de Deus, e nós somos Filhos Adotados.

A palavra Unigênito significa: ”único gerado” sinalizando assim o fato de que o único que foi gerado pelo Pai, que se utilizou de Suas qualidades para gerá-Lo, foi o Senhor Jesus. A nós, cabe o título de filhos de adoção. Isso mesmo! É assim que a Bíblia se refere a nós quando cita nossa filiação com Deus. Fomos adotados pela sua misericórdia:

(...) nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo

(...) (Efésios 1:5) – Grifo meu.

(...) éramos, por natureza, filhos da ira (...) (Efésios 2:3) – Grifo meu.

Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus. (Efésios 2: 19) – Grifo meu.

Acredito que esses versículos Bíblicos lançam muita luz com relação ao ensino de “vida pré-mortal”. Aqui fica claro que a situação inventada por Smith, da suposta “Vida pré-mortal” jamais existiu. Éramos filhos da ira, e não filhos de “pais celestes” vivendo em um “mundo feliz”. Fomos adotados por Deus, só é adotado quem está sem pai. E se estávamos “sem pai”, a teoria de “Vida pré-mortal” se desmorona. Não existe na Bíblia (nem no Livro de Mórmon) nenhuma citação que coloque o Senhor Jesus como “adotado”. Apenas a nós é reservado esse “posto”.

Vamos a outro versículo interessante:

Porque os que falam desse modo manifestam estar procurando uma pátria. E, se, na verdade, se lembrassem daquela de onde saíram, teriam oportunidade de voltar. Mas, agora, aspiram a uma pátria superior, isto é, celestial. Por isso, Deus não se envergonha deles, de ser chamado o seu Deus, porquanto lhes preparou uma cidade. (Hebreus 11: 14-16)

Esse versículo deixa claro que nenhum de nós tem uma “pátria de onde saímos”, para que “possamos regressar”. Ou seja, nunca moramos em algum céu, senão tal versículo não mencionaria nosso anseio por uma “pátria superior”.

Fato 3- Jesus é o único apto para nos salvar porque existe desde o princípio.

Voltando a falar sobre o Senhor Jesus, lemos o seguinte na Bíblia sobre sua natureza eterna, existindo no Pai:

No princípio era o Verbo, e o verbo estava com Deus, e o verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez. A vida estava nele e a vida era a luz dos homens. (João 1:1-4)

O Senhor Jesus estava com o Pai desde o princípio, nós não. Ele co-existe no Pai, como vimos anteriormente. A expressão “a vida estava nele”, nos mostra que o Senhor Jesus tem o poder de dar a vida:

Por isso, o Pai me ama, porque eu dou a minha vida para a reassumir. Ninguém a tira de mim; pelo contrário, eu espontaneamente a dou. Tenho autoridade para a entregar e também para reavê-la. Este mandato recebi de meu Pai. (João 10: 17-18)

Qual é o ser humano que poderia fazer tal declaração? Sim, se Smith estivesse certo, e o Senhor Jesus fosse “apenas” um irmão mais velho, por que então algum ser humano “igual” ao Senhor Jesus não diz que tem “autoridade” para “dar a vida e retomá-la”? Acredito que as diferenças entre nós e o Senhor Jesus não são nem dignas de serem mencionadas, por que simplesmente não nos comparamos a Ele.

Ele tem em Si o poder de criar... E nós, bem, o que podemos criar? A vida no ventre, quem cria é Deus. A nossa situação é completamente diferente, fomos criados do pó da terra, e tivemos apenas o fôlego de Deus soprado nas nossas narinas. Repito:

Deus soprou o Seu fôlego, e não sua Onipotência, Onipresença, e Onisciência. Por isso, cai por terra a teoria do “Filho de peixe, peixe é” quando está relacionada a Deus e nós. Essa teoria só é válida se for aplicada ao Senhor Jesus.

Então, formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente. (Gênesis 2:7)

Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; (Gênesis 1: 26)

Fato 4- Jesus é o único apto a nos salvar porque tem sangue puro e santo.

Você já ouviu falar que o Senhor Jesus nos “comprou”? Na Bíblia há um versículo que diz:

Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo. (1 Coríntios 6:20)

Uma compra requer dinheiro. Isso é fato. Mas as coisas no reino espiritual são diferentes das coisas no reino físico. O dinheiro não fica fora disso. A moeda do Brasil, atualmente é o real, nos Estados Unidos é o dólar, na Europa o euro, e assim por diante. Já no reino espiritual, a moeda é o sangue. O sangue tem muito valor no reino espiritual, por isso algumas pessoas adeptas das religiões do Candomblé realizam sacrifícios a demônios usando sangue de galinhas, cabras, etc. Satanistas se utilizam do sangue de seres humanos, e isso não é à toa, e não é apenas por perversão (claro, não deixa de ser uma perversão). Mas o fato de ser usado sangue nos rituais é uma exigência dos demônios, pois eles estiveram com Deus por um período da eternidade, e conhecem algumas regras espirituais, dentre elas que o Sangue é a “moeda corrente” no reino do espírito.

Mas, agora, em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, fostes aproximados pelo sangue de Cristo. (Efésios 2: 13)

Existe um poder espiritual por trás desse líquido que chamamos de sangue. Deus deixou claro ao povo de Israel, qual era o tipo de sangue que deveria ser derramado em Seu altar. Não era qualquer sangue, de qualquer animal que seria aceito. Deus, na realidade, estava “dando uma pista”, de que um sacrifício muito maior seria realizado futuramente, com os mesmos elementos, porém, de forma simbólica.

O animal era o cordeiro:

O cordeiro há de ser comido numa só casa; da sua carne não levareis fora da casa, nem lhe quebrareis osso nenhum. (Êxodo 12: 46)

Jesus é o Cordeiro de Deus:

No dia seguinte, estava João outra vez na companhia de dois dos seus discípulos e, vendo Jesus passar, disse: Eis o Cordeiro de Deus!(João 1: 35,36)

O cordeiro teria que ser morto pelos pecados:

Então, imolará o cordeiro no lugar em que se imola a oferta pelo pecado e o holocausto, no lugar santo; porque quer a oferta pela culpa com a oferta pelo pecado são para o sacerdote; são coisas santíssimas. (Levítico 14: 13)

Jesus foi morto pelos nossos pecados:

Vi e ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono, dos seres viventes e dos anciãos, cujo número era de milhões de milhões e milhares de milhares, proclamando em grande voz: Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor. (Apocalipse 5: 11,12)

O cordeiro tinha que ser perfeito

Porém novilho ou cordeiro desproporcionados poderás oferecer por oferta voluntária, mas por voto, não será aceito. (Levítico 22: 23)

Ele apresentará a sua oferta ao Senhor, um cordeiro de um ano, sem defeito, em holocausto, e uma cordeira de um ano, sem defeito, para oferta pelo pecado, e um carneiro, sem defeito, por oferta pacífica (...) (Números 6:14)

O cego, ou aleijado, ou mutilado, ou ulceroso, ou sarnoso, ou cheio de impigens, não os oferecereis ao Senhor e deles não poreis oferta queimada ao Senhor sobre o altar. (Levítico 22: 22)

Jesus é Perfeito

(...) sabendo que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo... (1 Pedro 1:18, 19)

Deveria ser o Primogênito:

(...) apartarás para o Senhor todo que abrir a madre e todo primogênito dos animais que tiveres; os machos serão do Senhor. (Êxodo 13: 12)

Jesus é o Primogênito: 

Estando eles ali, aconteceu completarem-se-lhe os dias, e ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou-o e o deitou numa manjedoura (...) (Lucas2: 7)

Não poderia ter “mancha” (pecado):

O holocausto que o príncipe oferecer ao Senhor serão, no dia de sábado, seis cordeiros sem defeito e um carneiro sem defeito; (Ezequiel 46:4)

Por esses requisitos que somente o Senhor Jesus preenche, jamais haverá espaço para outro salvador. Somente Jesus é apto para nos salvar! 

Fato 5-Jesus é o único apto para nos salvar pelo simples fato de ser Deus Filho.

Pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra (...) (Colossences 1: 16)

(...) porque aprouve a Deus que, nele, residisse toda a plenitude... (Colossences 1: 19)

E então, continuaremos dando socos em ponta de faca? Insistiremos em discursos vazios apenas para fazer “vista grossa” diante de tais afirmações? Qualquer pessoa que diga que para obtermos a salvação precisamos fazer algo está desprezando o que Jesus já fez. As obras, sejam elas quais forem não permitem que ser humano algum entre no céu. O ser humano que aceita a salvação de Jesus, realiza boas obras “porque” foi salvo, e não “para ser” salvo. As boas obras são a conseqüência da salvação e não um requisito para ela.

Para os SUD é muito difícil aceitar esse fato, primeiro porque eles não creem que precisam ser salvos de algo, eles estão em busca da “Exaltação”, que segundo a doutrina de Smith é um dia tornar-se deus. Aos SUD é ensinado que para adentrar como deuses no Reino Celestial, é preciso fazer uma série de coisas: Ser casado (a) com outro mórmon, ter feito batismo pelos mortos, ter feito pesquisas genealógicas pelos entes falecidos, casamento para a eternidade (que é o casamento feito no Templo), selamento das famílias (também feito no Templo), ser portador do Sacerdócio (para homens), que é o equivalente a ter um cargo de liderança na Igreja SUD, e muitas outras coisas mais.

Mas, Smith acabou complicando tudo, talvez porque sua condição de “profeta” exigisse dele que “sempre tivesse as respostas”. Ele então se arriscou em uma afirmação que é uma das mais perigosas de toda a doutrina SUD. Ele plantou no coração dos SUD, o mesmo desejo que permeou o coração do Diabo: tornar-se como Deus.

Um desejo venenoso: A Exaltação do Homem: Smith e o Diabo, desejos semelhantes.

Até agora tínhamos falado do “deus/homem” de Smith. Inverteremos um pouco a situação e falaremos sobre o “homem/deus”. Para Smith, todo homem que for um bom SUD e cumprir com várias obrigações, será exaltado a deus, como o seu deus foi. Na maçonaria Smith teve muito orgulho e soberba implantados em seu coração.

Os maçons geralmente se consideram “superiores” aos demais seres humanos. Mas ele se considerou tão superior, que acabou cedendo ao desejo venenoso que permeou o coração do Diabo: O desejo de ser “semelhante ao Altíssimo”.

O desejo do Diabo:

Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo. (Isaías 14: 13,14)

O desejo de Smith:

(...) e passarão pelos anjos e pelos deuses ali colocados, rumo a sua exaltação e glória em todas as coisas, conforme selado sobre sua cabeça; glória essa que será uma plenitude e uma continuação das sementes para todo o sempre.

Então serão deuses, pois não terão fim; portanto serão de eternidade em eternidade, porque continuarão; então serão colocados sobre tudo, porque todas as coisas lhe serão sujeitas. Então serão deuses, porque terão todo o poder e os anjos lhes serão sujeitos. Em verdade, em verdade vos digo: A não ser que guardeis minha lei, não obtereis esta glória. (Doutrina e Convênios 132:19- 21)

Essa tal “glória” a que o texto se refere, é a “Glória Celestial”. Smith ensinou que o Reino dos Céus é dividido em três “Graus de Glória”. O “top” é o Reino Celeste, para onde irão somente os SUD obedientes. Tome por “obediente” o SUD que cumprir uma “listinha” que os líderes SUD chamam de “Exigências para a Exaltação”:

Para sermos exaltados, precisamos primeiro ter fé em Jesus Cristo e perseverar nessa fé até o fim da vida. (...) Ele nos ordena que recebamos as seguintes ordenanças:

1 – Batismo e confirmação para sermos membros da Igreja de Jesus Cristo;

2- Imposição das mãos para o dom do Espírito Santo;

3 – Investidura no Templo;

4 – Casamento para o tempo e para toda a eternidade. (Princípios do evangelho, Capítulo 47; pg 303)

Alguém encontrou em algum lugar da “listinha” de exigências a palavra ARREPENDIMENTO? Não, porque o arrependimento não é mencionado, é muito mais importante ser batizado para aumentar o número de membros da igreja SUD, para que outro Templo possa ser construído, e é só. Se um SUD quiser ser “deus” um dia, ele precisa cumprir com todas essas “exigências”, senão lhe está reservado outro grau de glória, o “Reino Terrestre”. No reino Terrestre, os SUD supostamente receberão somente a visita de Jesus e do Espírito Santo, e não de Deus o Pai.

Já no último Reino, que é o “Teleste”, estarão todos os que não foram SUD. Sim eu disse TODOS. Isso inclui as pessoas que não obedecem ao Livro de Mórmon e também os maiores assassinos que o mundo já viu (Adolf Hittler, Charles Manson, etc.). Esses receberão somente a visita do Espírito Santo, e não de Jesus Cristo nem do Pai... E então, o que achou disso? A situação mais odiosa que poderia acontecer foi o casal que estava no Éden ter desobedecido a Deus e comido do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, mas os líderes SUD ensinam que a Queda foi uma “benção”:

As revelações modernas esclarecem que a Queda é uma benção e que Adão e Eva devem ser honrados como os primeiros pais da humanidade. (Guia de Estudo das Escrituras; “Queda de Adão e Eva”, pg 177)

O Livro de Mórmon ensina o contrário, dizendo que por causa da Queda nos tornamos INIMIGOS de Deus. Então significa que para os SUD, é uma “benção” ser inimigo de Deus?

Porque o homem natural é inimigo de Deus e tem-no sido desde a queda de Adão (...) (Livro de Mórmon - Mosias 3: 19)

Ficamos com a opinião bíblica:

Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte... (Romanos 5: 12)

(...) se, pela OFENSA de um só, morreram muitos, muito mais a graça de Deus e o dom pela graça de um só homem, Jesus Cristo, foram abundantes sobre muitos. (Romanos 5: 15)

Há espaço nesses versículos para a palavra “benção”? De forma alguma! A queda é considerada uma ofensa, e por ela o pecado e a morte entraram no mundo. Até a Maçonaria, (que Smith freqüentava) considera a Queda de Adão uma desgraça para a humanidade:

O Monte Calvário sempre ocupou um lugar importante na história lendária da Maçonaria, e há muitas interessantes tradições ligadas a ele. Uma delas afirma que o Monte Calvário foi o local de sepultamento de Adão, ou seja, a velha lenda diz que o causador da ruína da humanidade está enterrado no mesmo local em que o Salvador do mundo, após ter sofrido e morrido foi sepultado. (O Simbolismo da Maçonaria, de Albert G. Mackey, Volume2, pg 71; Editora Universo dos Livros, Edição de junho de 2008) – Grifo meu.

Para os maçons Adão é considerado o “causador da ruína da humanidade”, o que o Maçom Joseph teria a dizer sobre isso? Diria ele que a ruína da humanidade é uma benção? Falando nas “exigências para a exaltação”, nos deparamos com o fato de que os SUD são obrigados a se casar se desejam se tornar deuses. Porém, naturalmente, nem todos conseguem se casar. Para aqueles SUD que ficam sem o seu “par”, está reservado o Reino Celeste, sim, pois foram SUD “fiéis”, que apenas não conseguiram um cônjuge... O detalhe, é que eles não serão deuses, pois não foram obedientes ao mandamento, mas serão ANJOS:

Porque esses anjos não guardaram minha lei; portanto não podem crescer, mas permanecem separados e solteiros, sem exaltação, no seu estado de salvação, por toda a eternidade; e daí em diante não são deuses, mas anjos de Deus para todo o sempre. (Doutrina e Convênios 132:17)

Morôni, o desobediente:

Então Morôni “não guardou a lei de Deus”, ele foi desobediente! Smith nos deixou a informação de que Morôni é um ANJO. Ou seja, um desobediente que não se casou, descumprindo um mandamento do deus/homem! Permanece “solteiro e separado, sem exaltação”! Que péssimo exemplo Morôni deu aos SUD!

“Morôni era um verdadeiro servo de Deus e do povo (...) (O Livro de Mórmon Manual do Aluno – Cursos de Religião 121 e 122, Capítulo 34, pg 103, Edição de 1989)

Não! Morôni não era um “verdadeiro servo de Deus”, se fosse, seria obediente a TODOS os mandamentos do seu deus/homem. E não seria um “mero anjo”, estaria já há muito tempo “exaltado” como os SUD que se casam! Enfim, essa confusão toda criada por Smith acaba prejudicando o próprio ser que lhe revelou a tal “plenitude do evangelho”.

Essa doutrina de “Exaltação” entra em contradição direta com um texto do Livro de Mórmon que diz:

(...) não permitirei que meu nome seja profanado e não darei minha glória a outrem. (Livro de Mórmon- 1 Néfi 20: 11) – Grifo meu.

Isso não passa de uma cópia de vários textos bíblicos do Livro de Isaías, onde o Verdadeiro Deus avisa que não dará Sua glória a ninguém. Se Smith não tinha lido isso na Bíblia, fica provado aqui que ele não lia tampouco o Livro de Mórmon... Se o deus do Livro de Mórmon não dará sua glória a outrem, o que dizer dessa doutrina? O Livro de Mórmon, sendo uma escritura “antiga”, contraria a “moderna” revelação de Doutrina e Convênios, que prega a Exaltação!

A Bíblia não dá respaldo algum para essa doutrina maligna:

Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. (1 João 3:2)

A Expressão usada nesse texto bíblico “seremos semelhantes a ele”, não indica de forma alguma que seremos deuses, até porque, no início do versículo lemos: “ainda não é manifesto o que havemos de ser”. Seremos semelhantes a Jesus no que diz respeito ao corpo ressurreto, e perderemos nossa natureza pecaminosa, isso não significa que compartilharemos do mesmo poder que Ele tem exclusivamente.

Os líderes SUD apreciam citar um texto bíblico para respaldar sua doutrina. Novamente, fica claro que quando eles tiram um texto bíblico de contexto, aí sim, eles prezam pelas citações da Bíblia, batendo no peito e dizendo que “A Bíblia respalda tal doutrina”, já quando não há o menor resquício de respaldo para as doutrinas malignas, eles dizem que “A Bíblia foi adulterada”, tudo não passa de um jogo de interesses. O texto que eles citam com freqüência é o seguinte:

Replicou-lhes Jesus: Não está escrito na vossa lei: Eu disse: sois deuses? Se ele chamou deuses àqueles a quem foi dirigida a palavra de Deus, e a Escritura não pode falhar (...) (João 10: 34,35)

O trecho citado por Jesus está em Salmos 82:1 Deus assiste na congregação divina; no meio dos deuses, estabelece o seu julgamento. (Salmos 82:1)

Este é um Salmo de Asafe. O que acontece aqui, é que Asafe está literalmente zombando dos maiorais da Lei, que maltratavam os pobres, tanto que ao fim do Salmo, ele ainda dá o “veredicto final”:

Eu disse: sois deuses, sois todos filhos do Altíssimo. Todavia, como homens, morrereis e, como qualquer dos príncipes, haveis de sucumbir. (Salmos 82:6,7)

Ora, se Asafe estivesse se referindo aos “deuses exaltados de Smith”, não teria lógica essa ameaça! Ninguém seria louco de ameaçar um “deus”! É como se Deus estivesse zombando dos maiorais, e dizendo através de Asafe: “Então vocês são deuses não é? Pois bem, morrerão como homens!” Quando o Diabo disse que seria “semelhante ao Altíssimo”, ele estava realmente querendo um trono no mesmo patamar que o Trono de Deus. A Bíblia não dá apoio a essa doutrina maligna ensinada por Smith. A nós está destinado outro posto, fomos predestinados como filhos de adoção:

Nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo. (Efésios 1:5)

No século vindouro (e em qualquer Era), é apenas o nome de Jesus que estará sobre todo nome:

(...) exerceu ele em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos e fazendo-o sentar à sua direita nos lugares celestiais, acima de todo principado, e potestade, e poder, e domínio, e de todo nome que se possa referir não só no presente século, mas também no vindouro. (Efésios 1: 21)

Paulo fala que esperava a adoção como filho e não uma exaltação. Porque, na esperança, fomos salvos. Ora, esperança que se vê não é esperança; pois o que alguém vê, como o espera?(Romanos 8: 24)

(...) reinarão EM VIDA por meio de um só, a saber, Jesus Cristo. (Romanos 5: 17)

Não lamento informar!

Tenho uma alegria imensa em dizer que “não lamento informar” aos SUD, que o único que receberá louvor eternamente será o Senhor Jesus:

(...) para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra (Filipenses 2: 10)

Assim, ao Rei eterno, imortal, invisível, Deus único, honra e glória pelos séculos dos séculos. Amém! (1 Timóteo 1: 17)

Crês, tu, que Deus é um só?Fazes bem. Até os demônios crêem e tremem. (Tiago 2: 19)

Sabemos que, se a nossa casa terrestre deste Tabernáculo se desfizer, temos de Deus um edifício, casa não feita não por mãos, eterna, nos céus. (2 Coríntios 5:1)

-Nosso Deus não é um homem exaltado, Ele é Deus! E nosso edifício celestial foi feito por suas mãos, ou seja, não foi construído por algum humano exaltado! Ainda no princípio, Senhor, lançaste os fundamentos da terra, e os céus são obra das tuas mãos (Hebreus 1:10)

-Nosso Deus fez os céus, portanto não há outro deus além dele, ele não poderia ser recebido no céu para ser exaltado, sendo que Ele mesmo foi quem fez o céu! Toda casa é estabelecida por alguém, mas aquele que estabeleceu todas as coisas é Deus. (Hebreus 3: 4)

-Nosso Deus edificou TUDO, e isso significa que não há nenhuma obra feita por qualquer outro usurpador, outro projeto de falso deus que tenha feito algo. TUDO foi feito pelo Deus dos deuses.

A verdade bíblica: Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos!Quem, pois, conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi o seu conselheiro? Ou quem primeiro deu a ele para que ele venha a ser restituído? Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém! (Romanos 11: 33-36)

Esse texto bíblico mostra sequer a sombra de algum outro deus além do Deus Todo Poderoso? Não, nossa conclusão é de que Smith ensinou uma mentira.

O caráter do deus/homem de Smith

O deus de Smith é apenas “mais inteligente” do que nós humanos. A única característica que separava o deus/homem de Smith de suas “criaturas” era a inteligência. O deus de Smith era apenas “um pouco mais inteligente” do que os seres que, com ele, pairavam no “nada eterno”.

TEXTO PARA ANÁLISE: “Os primeiros princípios do homem são auto-existentes com Deus. O próprio Deus, vendo que estava em meio a espíritos e glória, porque era mais inteligente, considerou adequado instituir leis por meio das quais eles poderiam ter o privilégio de progredir como Ele próprio. (...) Ele tem poder para instituir leis para instruir as inteligências mais fracas, para que possam ser exaltadas com Ele mesmo, de modo a terem glória sobre glória e todo o conhecimento, poder, glória e inteligência exigidos para salvá-las no mundo espiritual. (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith, Capítulo 17, pg 219; Edição 2007) – Grifo meu.

Os ensinamentos de Smith são tão incoerentes que fica difícil entender em que ponto as coisas “aconteceram”. Tomaremos a seguinte linha de raciocínio:

Se o deus/homem de Smith viu que estava “em meio a espíritos e glória”, afinal de contas quando foi que ele teve esses filhos com sua esposa espiritual, que era aquela mulher que viveu com ele no seu planeta Terra?

Ele então recebeu o cargo de deus, e ao mesmo tempo viu que estava no meio de espíritos? Como fica toda essa confusão? De onde surgiram esses espíritos? O deus de Smith não havia sido exaltado, tendo que começar “tudo do zero”? Esses espíritos todos faziam o quê no céu recém inaugurado do deus de Smith? Por quem foram criados? Onde entra a doutrina de Smith de que nós todos somos filhos que
esse deus gerou no céu?

O homem, como espírito, foi gerado e nasceu de pais celestiais, tendo crescido até a maturidade nas mansões eternas do Pai, antes de vir à Terra num corpo físico.” [Joseph Fielding Smith, “The Orign of Man”. (A Origem do Homem) Improvement Era, nov. de 1909, pp 78, 80] – Texto retirado do livro “Princípios do Evangelho, Capítulo 02 pg 11)

Os líderes SUD não se decidem. Afinal, estávamos com Deus “em meio a espíritos”, ou “fomos gerados e nascemos de pais celestiais”? Onde entram os seres humanos nessa história? Joseph ensinou que seu deus é o “Pai Celestial” dos nossos espíritos, mas se fosse assim, quem são essas tais “inteligências mais fracas”? Se nós fomos gerados por esse deus e sua esposa, e essas “inteligências mais fracas” já estavam com o deus de Smith vemos aí dois grupos distintos de seres. Cada novo ensino SUD, derruba o que já foi falado anteriormente por algum outro profeta.

Smith anuncia: “Deus tem mais poder do que todos os seres, porque Ele tem conhecimento maior; e , portanto Ele sabe sujeitar todos os seres a Ele”. (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith, Capítulo 22; pg 278)

É somente por isso que esse deus/homem tem mais poder? Somente por ter “conhecimento maior”? Louvo ao Deus Todo Poderoso, pois Ele não tem apenas “conhecimento maior”, mas todo o conhecimento, Ele é Onisciente!

O deus/homem se contradizendo:

“E eu, o Senhor Deus, havia criado todos os filhos dos homens; e ainda não havia homem para lavrar a terra, pois no céu os criei (...)” (Moisés 3:5)

(...) Eu sou Deus; eu fiz o mundo e os homens antes que existissem na carne. (Moisés 6: 51)

Aqui claramente o deus de Smith está em contradição. Como fica o ensinamento de Joseph, de que “O próprio Deus, vendo que estava em meio a espíritos e glória, porque era mais inteligente”... O que aconteceu? Sim, pois o próprio deus/homem de Smith está declarando que “havia criado todos os filhos dos homens”, afinal, ele os criou ou eles eram “auto-existentes”?

Aqui está outro problema, já que acabamos de ler que “Os primeiros princípios do homem são auto-existentes com Deus (Texto para análise). Joseph precisava tomar uma decisão, mas não o fez ensinou duas doutrinas completamente diferentes: Os princípios humanos são “auto-existentes”, ou foram “criados”?

Se todos os princípios humanos são “auto-existentes” com Deus, como foi que ele viveu sua vida normal antes de ser “exaltado? Como ele convivia com esses espíritos menos inteligentes que “auto-existiam” com ele? Que explicação haveria para isso? Não há explicação. Smith acabou tropeçando no emaranhado de doutrinas que inventou com a ajuda de espíritos enganadores, e ele mesmo caiu em suas mentiras.

A única resposta que nos satisfaz, reside na Bíblia. O homem foi criado do pó da Terra, e desse momento em diante, se tornou alma vivente. O espírito do homem é formado dentro do ventre de sua mãe, e não em algum lugar nas “mansões eternas”.

Pois tu formaste o meu interior, tu me teceste no seio de minha mãe. (...) os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia. (Salmos 139: 13, 15, 16) – Grifo meu.

Que deus é esse?

É preciso expor o caráter estranho e mutante desse deus/homem de Smith que, sendo um homem como é, até são justificadas algumas de suas atitudes. Vejamos a seguir uma seqüência de acontecimentos absurdos que afligiram os SUD, para conhecermos um pouco mais do caráter dobre do deus/homem: O fraco deus/homem:

Os santos trabalharam diligentemente para edificar Sião, mas no final de 1833, foram expulsos de suas casas no condado de Jackson por severa perseguição, deixando para trás seus sonhos de estabelecer e construir um templo ali. Por meio do Profeta Joseph Smith, o Senhor revelou que as condições para a redenção de Sião naquela terra ainda não haviam se cumprido e que o estabelecimento de Sião precisaria “[esperar] um pouco” (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith- Capítulo 15 pg 192, 193; Edição 2007)

Conclusão: Vemos aqui um deus/homem que fica assistindo a desgraça de “seu povo”, e somente depois de ver o fim da história, dá o seu veredicto. A impressão que esse falso deus/homem nos passa, é de que se os “santos” tivessem conseguido conquistar algo, ele diria: “Não disse que vocês conseguiriam?!”, mas como não conseguiram, ele tira seu “cavalinho da chuva” e diz: “Oh, não chegou o tempo ainda”... Claro, muito conveniente isso! Israel não perdia batalhas, a não ser que tivessem cometido pecados graves como os de Acã, Deus prometeu que entregaria nossos inimigos em nossas mãos! Até o deus/homem de Smith prometeu algo assim aos SUD, mas entre esse deus prometer e cumprir há uma grande diferença.

Os SUD se empenhavam para cumprir todos os caprichos desse deus, e só colhiam maldições em vez de bençãos, somente derrotas em vez de vitórias. Era na verdade um povo com um deus fraco, um povo que fugia diante de seus inimigos. Sempre que a coisa “apertava” para o lado do deus de Smith, ele se esquivava de suas falsas promessas, e colocava a culpa no povo. Por exemplo, esse empenho todo que o povo SUD demonstrou na construção de Sião e que resultou em nada, para disfarçar o embaraço da situação, os líderes SUD modernos escreveram:

“No início da década de 1830, os santos tentaram estabelecer o alicerce de Sião no condado de Jackson, Missouri, conforme haviam sido ordenados pelo Senhor, mas não conseguiram fazê-lo porque não estavam espiritualmente preparados.” (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith- Capítulo 15 pg193; Edição 2007)

Afinal de contas, esse deus/homem não sabia que eles “não estavam espiritualmente preparados”? É o mesmo que Deus ordenar que Noé construa a Arca, Noé fracassar, e depois de séculos alguém falar: “É que Noé não estava ‘espiritualmente preparado’”. E o que o deus/homem estava fazendo, que não sabia
da condição espiritual do seu povo? É incrível a falta de onipotência desse deus/homem de Smith. Ele esperou o povo comprar a terra, consagrá-la toda e ao local de construção do templo, colocar alicerces de casas, para depois de tudo isso, Smith dizer ”que as condições para a redenção de Sião naquela terra ainda não haviam se cumprido e que o estabelecimento de Sião precisaria [esperar] um pouco.”?

E porque esse “esperar um pouco” não veio antes? Analisando: “Moisés está pronto, ele já fez tudo o que tinha que fazer, então, quando ele diz a Faraó: Deus enviará tais pragas. Faraó fica aguardando as pragas... e nada... Então Deus “revela” algo a Moisés, dizendo: ‘Moisés, espere um pouco... as condições para que eu envie as pragas ainda não se cumpriram’”.

Absurdo! Consegue imaginar a cena? O Deus de Abraão envergonhando seus servos? Jamais! Porém, isso era muito comum no relacionamento de Smith com seu deus/homem, ele foi envergonhado inúmeras vezes. Esse é o preço que ele pagou por ter optado por um deus falso, um deus que não tem poder para salvar e honrar seu povo! Sei que muitos devem estar chocados com as atitudes desse deus que Smith servia, mas é preciso compreender que para um homem exaltado como ele, até que ele está fazendo o melhor que pode, ou seja: nada. Ele é um deus que não consegue nem ao menos defender seu povo. Fica brincando com eles como se fossem marionetes, assiste seu povo consagrar o terreno do templo como se tudo fosse uma grande brincadeira, para depois de todo o esforço dos SUD, falar que “ainda não está na hora”.

Porque não avisou antes? Esse é o típico caráter de um deus humano, que só toma decisões DEPOIS que as coisas acontecem, e isso pelo simples fato de que esse deus de Smith não pode prever o futuro. Então ele se baseia na sorte: Ele ordena que os SUD construam Sião, mas quando vê que suas ordens não poderão ser cumpridas, convenientemente ele diz: ”Olha pessoal, não vai ser dessa vez, fica para a próxima”. Como se a vida e o empenho dos antigos SUD nada valessem. Depois Smith, que deveria estar sofrendo grande pressão por meio dos que tinham perdido todas as suas propriedades, convenientemente tem outra resposta:

“Mas gostaria de lembrar-lhes uma certa cláusula que diz que após muita tribulação vêm as bençãos(...) Sei que Sião será redimida, no devido tempo do Senhor; mas o Senhor ocultou de meus olhos quantos serão os dias de sua purificação, tribulação e aflição. (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith- Capítulo 15 pg 194; Edição 2007)

Como a situação se complicava cada vez mais, Joseph percebendo que era praticamente impossível que a promessa de seu deus se cumprisse, para agradar o povo e acalmar os ânimos, ele argumenta: Qualquer lugar que os santos se reúnem é Sião, um lugar seguro que todo homem justo edificará para seus filhos. (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith- Capítulo 15 pg 194; Edição 2007) – Grifo meu

“Qualquer lugar”? Negativo! Não era isso que o deus/homem tinha dito isso! Ele havia deixado claro que seria no Missouri!

Escutai, ó élderes de minha igreja, diz o Senhor vosso Deus, vós, que de acordo com meus mandamentos vos haveis reunido nesta terra, que é a terra de Missouri, terra que designei e consagrei para a reunião dos santos. Portanto esta é a terra da promissão e o local para a cidade de Sião. (Doutrina e Convênios 57:1-2) – Grifo meu.

“Esta é a terra”, ou “qualquer lugar que os santos se reúnem” é a “terra”? Tudo isso é engano do Inferno para aprisionar a vida dos SUD. Ele não é um deus de palavra.

É o mesmo que um pai prometer ao seu filho que se ele tirar uma boa nota na escola irá levá-lo para jantar no melhor restaurante da cidade. O filho se esforça, tira a melhor nota, e o pai diz: “Ah filho, qualquer lanchonete que nós formos é ‘o melhor restaurante da cidade’, aliás, não é melhor ficarmos em casa? Vamos fazer um macarrão instantâneo!”. Isso se chama engano, mentira, falsidade. É isso que permeia o caráter do deus/homem de Smith. Um deus falso que volta atrás com suas promessas. Fica dando prêmios de consolação aos seus seguidores, ao invés de cumprir o que havia prometido!

Gritante é a tentativa quase que desesperada de Smith de fazer com que seu deus continuasse com credibilidade. Todas as promessas caiam por terra, mas Smith continuava fingindo que estava “tudo bem”, que as coisas não eram “exatamente” do modo como seu deus tinha dito que seriam, e jogava a culpa no pobre povo, que enganados pelo inferno iam de um lado para o outro como bolas de pingue-pongue!

Que alívio nos causa saber que Deus não age assim! Senão, o que seria do povo de Israel se rodeasse a cidade de Jericó por sete dias e no sétimo dia rodeassem sete vezes, gritassem e nada acontecesse. Nenhum tijolinho se movesse do lugar? Eles teriam bancado os tolos, mas louvado seja Deus, que não deixa seu povo desamparado como o deus de Smith faz constantemente. E se Jesus tivesse dito a seus discípulos para prepararem a páscoa, e eles não encontrassem nada como Jesus falou? A Soberania e a Onisciência de Deus entram em contraste com a falta de capacidade do deus/homem de Smith.
O deus/gênio da lâmpada de Emma Hale:

Freqüentemente, quando o Profeta entrava na sala para dar instruções, ele se via envolvido por uma nuvem de fumaça de tabaco. Isso e as reclamações da esposa por ter que limpar um chão tão sujo [porque os homens mascavam tabaco] fez o Profeta pensar no assunto. Ele perguntou ao Senhor a respeito da conduta dos élders no uso do tabaco, e a revelação conhecida como Palavra de Sabedoria foi o resultado de sua pergunta. (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith- Capítulo 22 pg 275; Edição 2007) – Grifo meu.

Essa “revelação” é um insulto à inteligência humana! Então se Emma nunca tivesse reclamado não haveria tal revelação? Esse Deus só funcionava quando era conveniente? Ele não dava mandamentos, apenas dava revelações para o momento. Na verdade ele funcionava como um “gênio da lâmpada”, quando quisessem algo, bastava esfregar a lâmpada, (porque ele nunca saia por conta própria) e lá estava uma nova “revelação”. É um deus acomodado que não move situações, mas é movido por elas. Era como todo “bom gênio da lâmpada”, que precisa ser esfregada por alguém, esse “alguém” foi Emma, uma das esposas de Smith. Ela reclamou, e pronto, a revelação apareceu. Os homens temiam a Smith, logo todos obedeceram à sua “revelação” feita em casa!

O deus sarcástico:

O Profeta Joseph Smith, que estava morando em Kirtland, ficou profundamente preocupado com o sofrimento dos santos do Missouri e ansiava em ajudá-los. Em fevereiro de 1834, o Senhor revelou que ele deveria organizar um grupo de santos para marchar até o condado de Jackson. Esse grupo, chamado de Acampamento de Sião, devia ajudar a recuperar as terras e propriedades tiradas ilegalmente dos membros da igreja. (...) o acampamento (...) acabou incluindo mais de 200 pessoas. (...) Depois que o grupo chegou ao Missouri, tiveram início as negociações com os líderes governamentais, mas essas tentativas de resolução pacífica falharam. Quando um conflito armado parecia inevitável, o Profeta orou pedindo orientação e, em 22 de Junho de 1834, recebeu uma revelação ordenando que dissolvesse o acampamento e declarasse que Sião não poderia ser redimida naquela ocasião (...) a mim convém que sejam trazidos até aqui como prova de sua fé’ (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith- Capítulo 24 pg 295, 297; Edição 2007)

Esse deus está brincando com todos eles! Novamente, imaginemos se Deus tivesse mandado Josué rodear Jericó e bradar, e nada acontecesse? Daí então Deus aparece a Josué e diz: “Brincadeirinha, só queria provar a fé de vocês tolinhos!” Isso parece filme de terror, ou comédia. Coisas típicas do deus/homem, que não tem poder para ajudar “seu povo”.

Um deus que “amarela” diante de uma situação complicada que ele mesmo causou. Não tinha sido o deus de Smith que “revelou que ele deveria organizar um grupo de santos para marchar até o condado de Jackson” e que esse grupo “devia ajudar a recuperar as terras e propriedades tiradas ilegalmente dos membros da igreja”? Quanta incoerência e covardia desse deus! Isso é o equivalente ao Deus verdadeiro mandar Moisés libertar Seu povo da opressão de Faraó, e na hora de maior apuro do Seu povo, Deus falar a Moisés:

“Bem Moisés, eu não poderei abrir o Mar Vermelho agora, é melhor vocês se renderem a Faraó novamente, pois eu só lhes trouxe até aqui ‘como prova de sua fé, ou se quiserem, podem tentar atravessar o Mar a nado’”. Consegue imaginar o Deus Verdadeiro agindo assim? Eu não consigo, pois isso não faz parte do Seu caráter santo e fiel:

Se somos infiéis, ele permanece fiel, pois de maneira nenhuma pode negar-se a si mesmo. (2 Timóteo 2:13)

Esse deus de Smith lembra uma criança, é um deus inconstante como um menino, não é a toa que é um homem exaltado. Atitudes assim precisam realmente partir de um homem exaltado, um humano, pois Deus jamais agiria assim! Alguém que brinca com os sentimentos de seu povo. Um deus que dá decretos e ordens, e depois, na hora que seu povo mais precisa dele, ele vira as costas, como fez com os SUD que estavam passando dificuldades no Missouri.

O deus de Smith é um deus incapaz de realizar milagres, por isso se rendeu diante dos inimigos. Smith jamais poderá contar dos milagres que seu deus fez como o Deus de Abraão, Isaque e Jacó. O Deus que abriu o Mar Vermelho, e fez cair o maná para seu povo comer, ou que tirou água da rocha! O deus de Smith se sentiu acovardado pelos exércitos do Missouri, e desistiu de pelejar. Podemos até dizer que o pequeno Davi é mais corajoso que o deus de Smith, pois enfrentou o gigante Golias sem armadura. Mas a conclusão que chegamos é muito simples: O deus de Smith retrocedeu, porque ele não é o Senhor dos Exércitos poderoso na batalha!

Não fosse o Senhor, que esteve ao nosso lado, Israel que o diga; não fosse o Senhor, que esteve ao nosso lado, quando os homens se levantaram contra nós, e nos teriam engolido vivos, quando a sua ira se acendeu contra nós; as águas nos teriam submergido, e sobre a nossa alma teria passado a torrente; águas impetuosas teriam passado sobre a nossa alma. Bendito o Senhor, que não nos deu por presa aos dentes deles. Salvou-se a nossa alma, como um pássaro do laço dos passarinheiros; quebrou-se o laço, e nós nos vimos livres. O nosso socorro está em o nome do Senhor, criador do céu e da terra. (Salmos 124)

Smith não poderia dizer o mesmo de seu deus, pois ele não se importava que seu povo fosse zombado diante dos demais povos. É um deus que tem prazer em fazer seu povo ser envergonhado diante das nações. Uma coisa é Deus entregar seu povo nas mãos do inimigo pelo próprio pecado do povo, outra bem diferente, é Deus ordenar que o povo “vá”, sabendo que não fará nada em favor do povo.

O deus da comida estragada:

A maioria dos homens do acampamento reclamaram para ele dos dedos doloridos, dos pés cheios de bolhas, das longas caminhadas, do suprimento escasso de provisões, de má qualidade do pão, da broa estragada, da manteiga rançosa, do mel ruim, do toucinho e do queijo bichados, etc. (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith- Capítulo 24 pg 302; Edição 2007)

Glória a Deus! Que diferença é servir ao Deus Todo-Poderoso! Quando Deus faz as coisas, Ele faz com Amor pelo seu povo, faz sair água FRESCA da rocha, faz chover maná FRESCO do céu, e traz carne FRESCA do céu, tudo fresquinho, nada bichado, mofado, estragado. Tudo com a sua assinatura de Deus perfeito, glorioso, Santo, que trata bem seu povo e não se alegra com o sofrimento humano!

Quem é o deus de Smith: deus/homem ou o diabo? 

O deus de Smith declara no Livro a Pérola de Grande Valor que foi ELE quem preparou o inferno: ”Portanto eles juraram falsamente e, por seus próprios juramentos, trouxeram a morte sobre si; e um inferno preparei eu para eles, caso não se arrependam. (Moisés 6: 29)

Néfi, um dos grandes heróis do Livro de Mórmon, declara que quem fez o inferno foi o Diabo: “E há um lugar preparado, sim, aquele horrível inferno do qual falei, cujo fundador é o diabo.” (Livro de Mórmon - 1 Néfi 15: 35) – Grifo meu.

A verdade na Bíblia –“Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. (Mateus 25: 41)

Deus não preparou o inferno para os seres humanos como o deus de Smith fez. Deus é um Deus de amor, o deus de Smith é um ser cruel, que tem prazer no sofrimento alheio.

Joseph Smith não alcançou a “Glória Celestial”

Se toda essa história de “Graus de Glória” fosse verdadeira, e o topo fosse o Reino Celeste (ou Celestial-Glória de Deus), o próprio Joseph não teria herdado jamais esse reino, pois ele declarou que seu deus não tem todo o poder:

“Mas se estou certo, posso proclamar com destemor do alto dos telhados que Deus nunca teve de maneira alguma o poder para criar o espírito do homem. O próprio Deus não poderia criar a si mesmo. Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith- Capítulo 17 pg 219; Edição 2007) – Grifo meu.

Mas “se” estou certo’? Nem Smith tinha certeza se “estava certo”. É certo que Deus não pode criar-se a si mesmo, pelo fato de que Ele jamais foi criado! Joseph disse na afirmação acima que seu deus “nunca teve poder para criar o espírito do homem”, mas, ao mesmo tempo que Smith impôs sobre seu deus esse limite,
vejamos o que ele mesmo disse sobre impor limites ao seu deus:

” Digo para todos que estão dispostos a estabelecer limites para o Todo Poderoso: vocês não alcançarão a glória de Deus. (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith- Capítulo 22 pg 277; Edição 2007)

Então Joseph Smith é o primeiro da fila dos que não “alcançarão a glória celestial”, pois foi quem mais veementemente negou que Deus tenha todo poder. Ao dizer que Deus “nunca teve” poder para criar o espírito do homem, Joseph “estabeleceu limites para o Todo Poderoso”. É até irônico ver Joseph chamando Deus de Todo Poderoso, e ao mesmo tempo dizendo que o Todo Poderoso “não podia” algo.

Notamos uma grande indecisão de Smith, pois na realidade, ele precisava limitar seu deus para sentir-se à vontade com a idéia de que ele próprio se tornaria um deus, e para isso, precisava humanizar ao máximo seu deus. Quanto mais o humanizasse, mais fácil ficaria para o próprio Smith implantar sua doutrina de Exaltação como já vimos. Como poderia esse deus não ter poder, e logo em seguida ser o “todo poderoso”?

As contradições entre o que Smith ensinava, e o que lemos no Livro de Mórmon são tão grandes, que temos a impressão que Smith não o traduziu, porque se o tivesse feito, estaria familiarizado com seu conteúdo. Provavelmente Smith tenha entrado em algum tipo de transe, como os escritores de livros espíritas e algum espírito maligno ditou a ele o Livro de Mórmon, segundo a historiadora da vida de Smith, Fawn Brodie, a família de Smith era conhecida pelos vizinhos por seu envolvimento com magia (ver o livro “No man knows my history”, de Fawn. M. Brodie, Second Edition, Vintage Books, 1971; ‘Nenhum Homem Conhece Minha História’; Livro disponível apenas em Inglês). 

Smith mesmo não tinha conhecimento do conteúdo do livro que supostamente passou pela sua mão. Pela abundante falta de lógica, deve ter acontecido exatamente isso! A verdade na Bíblia:

 Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. (Filipenses 2: 5-8)

Como a Bíblia nos esclarece! Deus tornou-se semelhante aos homens, ou seja, Ele experimentou coisas que nos são comuns como o frio, calor, fome, sono, cansaço, ele se esvaziou a si mesmo. Porque precisaria disso se Ele fosse como Smith diz “apenas um homem exaltado”? Se Ele já fosse um homem, iria se esvaziar de quê? Tornar-se-ia semelhante em que se já fosse humano?

O deus de carne e ossos

O deus de Smith, como um homem em sua melhor forma, tem carne e ossos. Ele é realmente um humano entronizado (mesmo que apenas na imaginação de Smith).

“O Pai tem um corpo de carne e ossos tão tangível como o do homem; (Doutrina e Convênios 130:22)

“Algo que não tem corpo nem partes não é nada. Não há outro Deus no céu a não ser um Deus que tem carne e ossos.” (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith- Capítulo 02 pg 45; Edição 2007)

Lemos na Bíblia, que o Senhor Jesus Cristo, o Deus Filho, durante seu tempo na terra, participou da “nossa” condição. Deduzimos então a condição de Deus, é a “condição A”, e a do homem é a “condição B”. Ambas diferem completamente, pois que lógica haveria no fato de o Senhor ter participado de uma condição que já lhe pertencia?

A Verdade Bíblica: Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo. (Hebreus 2:14)

É clara a interpretação: Se Jesus, o Deus Filho, teve que “participar” de nossa condição, que é sermos “pessoas de carne e sangue” não era essa a Sua condição! Por isso mesmo, convinha que, em todas as coisas, se tornasse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote nas coisas referentes a Deus e para fazer propiciação pelos pecados do povo. (Hebreus 2: 17)

Jesus tornou-se semelhante. Ele é em forma de Deus.

Como o cérebro humano é limitado para compreender verdades espirituais, eu usarei aqui, um exemplo humano, para facilitar a compreensão: Se eu olhar para um jacaré e um crocodilo, posso ver que são semelhantes, mas o jacaré é o jacaré, e o crocodilo é o crocodilo. Não é pelo fato de serem semelhantes que um tomará a personalidade do outro, ou o crocodilo se tornará no futuro um jacaré, ou vice versa.

Não é pelo fato de o ser humano ter sido feito à “imagem e semelhança” de Deus, que o ser humano se tornará um deus algum dia. Sermos feitos à imagem e semelhança de Deus significa termos uma cabeça, pernas, braços, tronco, raciocínio, vontade, emoções, por mais que tudo isso tenha sido alterado pela queda do homem. Isso é a tal “semelhança”, e não o fato de que herdamos algum poder divino que somente Deus detém, por exemplo, a eternidade em nós mesmos, ou o poder de criar a vida. Nenhum de nós pode criar algo do nada absoluto como Deus o faz.

Pela fé, entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem. (Hebreus 11: 3)

Não podíamos ver nenhuma evidência de “matérias primas” utilizadas na “construção” do Universo, ele foi literalmente feito “do nada”. Deus deu a ordem, e ele surgiu. Foi assim, e é simples aceitar esse fato quando compreendemos que Deus, o Todo Poderoso, não é um ser humano, mas o Criador de tudo o que existe.

Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele pois a glória eternamente. Amém. (Romanos 11: 36)

O Livro de Mórmon contra Smith:

Quando o Livro de Mórmon foi ditado a Smith por algum espírito enganador, ele não deve ter prestado atenção nos seguintes versículos do seu próprio livro:

- Pois ele é o mesmo ontem, hoje e será para sempre; (Livro de Mórmon - 1 Néfi 10: 18) - Então Ele não foi “exaltado” a Deus, já que se tivesse sido exaltado, não seria “o mesmo”.

- (...) pois existe um Deus e ele criou todas as coisas, tanto os céus como a Terra. (Livro de Mórmon - 2 Néfi 2:14) - Se existe UM Deus, não poderia haver nenhum “outro deus” para “exaltar” Deus ao “cargo” de Deus.

- (...) o Senhor Onipotente que reina, que era e é de toda eternidade para toda a eternidade... (Livro de Mórmon - Mosias 3:5) - Se Ele realmente “reina” de toda eternidade para toda eternidade, como Ele viveu uma vida de ser humano? Como ele foi “exaltado” a Deus, sendo que já “reinava de eternidade a eternidade”?

O Deus da Bíblia

Texto 1- “(...) o único que possui imortalidade, que habita em luz inacessível, a quem homem algum jamais viu, nem é capaz de ver. A ele honra e poder eterno. Amém”. (1 Timóteo 6:16)

a) ”O único que possui a imortalidade”- Essa expressão exclui completamente outro deus acima Dele, exclui também uma possível esposa que tenha se casado com Deus enquanto Ele, (no conceito de Smith) era um homem.

b) ”A quem homem algum jamais viu nem pode ver” – Essa expressão seria falsa se Deus tivesse sido humano, pois então Ele,quando foi um homem, teria sido visto por outros homens, na sua “ex-vida terrestre”, e o texto deixa claro que homem algum jamais o viu, nem pode ver.

Texto 2 - “Pois, quando Deus fez a promessa a Abraão, visto que não tinha ninguém superior por quem jurar, jurou por si mesmo...” (Hebreus 6: 13)

1) ”Não tinha ninguém superior por quem jurar” - Não há nada a ser “interpretado” aqui, as palavras falam por si e estão muito claras! Não há outro deus “superior” ao Senhor Deus Todo Poderoso! Não há alguém para quem Ele tenha inclinado a cabeça e agradecido por sua “exaltação”. Se houvesse esse tal “pai de Deus”, com certeza, em “reverência” a ele, Deus teria jurado por ele a Abraão.

Mas não há essa figura, a não ser na mente de Joseph.

Texto 3 - Assim diz o Senhor, que te redime, o mesmo que te formou desde o ventre materno: Eu sou o Senhor, que faço todas as coisas, que sozinho estendi os céus e sozinho espraiei a terra; quem estava comigo? Que desfaço os sinais dos profetizadores de mentiras e enlouqueço os adivinhos; que faço tornar atrás os sábios, cujo saber converto em loucura... (Isaías 44: 24,25)

1) ”Eu sozinho estendi os céus” – A expressão mostra que tinha algum outro deus ao lado de Deus? Mostra algum outro ser? Deus não mente, Ele não teria motivos para esconder que o suposto “deus” que o “exaltou a Deus” estava com Ele.

2) ”Quem estava comigo?”- Essa pergunta é quase uma afirmação de que não havia ninguém com Deus, nem mesmo uma suposta “esposa”.

Certa tarde eu perguntei aos missionários a respeito da “esposa” de Deus. Perguntei o seguinte: “Se Deus tivesse uma esposa, onde está o nome dela na Bíblia? ou até no Livro de Mórmon?” Então Elder Ethan respondeu que “talvez” o nome dela não tivesse sido citado em lugar algum por ser “tão sagrado”, que Deus não queria que fosse pronunciado de forma errada.

A triste conclusão:

Joseph caiu de graça num emaranhado de confusões e contradições que não acabam mais, o que ele fez está na Bíblia:

(...) porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; ante, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato. Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança de imagem de homem corruptível (...) (Romanos 1: 21-23)

Inferno e Lago de Fogo

Joseph Smith também tem uma definição particular para o Inferno. Ele tornou o Inferno e o Lago de fogo, o mesmo lugar, sem fazer distinção:

As revelações modernas consideram o inferno pelo menos em dois sentidos. Primeiro, é a morada temporária, no mundo espiritual, dos espíritos daqueles que foram desobedientes na mortalidade. (...) Ali os espíritos aprenderão o evangelho e em alguma época após o arrependimento ressuscitarão para o grau de glória que merecerem. Os que não se arrependerem, mas não forem filhos de Perdição, permanecerão no inferno durante todo o milênio. Após esses mil anos de tormento serão ressuscitados para a glória telestial. (Livro de Mórmon - Guia de Estudo das Escrituras- Inferno, pg 103)

Bem, esse é o “inferno” para os SUD. É como uma “prisão espiritual”. Só será lugar de tormento eterno para os tais “filhos de Perdição”. Será que você já imagina quem são esses pobres seres? Claro, são todos os SUD que abandonarem a Igreja Mórmon!

É onde habitarão eternamente Satanás e seus anjos e os filhos de Perdição, ou seja, os que negaram o Filho depois de o Pai lhes haver revelado. (Livro de Mórmon - Guia de Estudo das Escrituras, Inferno, pg 104)

Primeiramente, vamos conhecer a tal “Prisão Espiritual” onde supostamente, estariam todos que morreram sem aceitar o Livro de Mórmon:

Na prisão espiritual, estão os espíritos daqueles que ainda não receberam o evangelho de Jesus Cristo. Esses espíritos possuem o livre-arbítrio e podem ser seduzidos tanto pelo bem como pelo mal. Se eles aceitam o evangelho e as ordenanças realizadas em seu favor nos templos, podem preparar-se para deixar a prisão espiritual e habitar no paraíso. Também na prisão espiritual estão aqueles que rejeitaram o evangelho depois que lhes foi pregado na Terra ou na prisão espiritual. Esses espíritos sofrem numa condição conhecida como inferno. Eles se afastaram da misericórdia de Jesus Cristo. (...) Após sofrerem completamente por seus pecados, ser-lhes á permitido herdar o mais baixo dos graus de glória, que é o reino teleste. O inferno no mundo espiritual não durará para sempre. Até mesmo os espíritos que cometeram o maior de todos os pecados cessarão de sofrer no fim do milênio. (Princípios do Evangelho, Capítulo 45; pg 292, 293)

Concluímos então que Smith criou uma espécie de “purgatório”, onde as pessoas ficam por um tempo e depois saem redimidas. A diferença, é que no “purgatório” de Smith há pessoas pregando o evangelho! E claro, convenientemente eles citam um trecho bíblico para respaldar essa doutrina maligna:

Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus; morto, sim, na carne, mas vivificado no espírito, no qual também foi e pregou aos espíritos em prisão (...) (1 Pedro 3:18,19)

O texto bíblico nos ensina que o Senhor Jesus foi, em espírito, e pregou aos espíritos em prisão. Isso é verdade, e realmente aconteceu. É inclusive o cumprimento de uma Profecia referente à missão exclusiva do Senhor Jesus:

Eu, o Senhor, te chamei em justiça, tomar-te-ei pela mão, e te guardarei, e te farei mediador da aliança com o povo e luz para os gentios; para abrires os olhos aos cegos, para tirares da prisão o cativo e do cárcere, os que jazem em trevas. Eu sou o Senhor, este é o meu nome; a minha glória, pois, não darei a outrem, nem a minha honra, às imagens de escultura. Eis que as primeiras predições já se cumpriram, e novas coisas eu vos anunciou; e, antes que sucedam, eu vo-las farei ouvir. (Isaías 42: 6-9)

Esse tal cárcere que o texto menciona era em um lugar espiritual de trevas, onde ficava uma prisão espiritual. Após o momento em que o Senhor Jesus tirou as chaves das mãos do Diabo, ele levou com ele para o paraíso, no céu, as pessoas que o texto de 1 Pedro menciona, que “em outro tempo foram desobedientes”:

Por isso, diz: Quando ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro e concedeu dons aos homens. Ora, que quer dizer subiu, senão que também havia descido até as regiões inferiores da terra? Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas. (Efésios 3:8-10)

As coisas já estão “completas”, como menciona o texto acima. Não há mais o que ser feito, agora Jesus já veio, ninguém tem mais desculpas. O povo que viveu na época de Noé não conhecia Jesus nem o Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Hoje em dia essa desculpa não funciona mais:

Se eu não viera, nem lhes houvera falado, pecado não teriam; mas, agora, não têm desculpa do seu pecado. (João 15: 22)

Ninguém que viveu depois de Jesus tem desculpa do pecado porque o Espírito Santo testifica em nossos corações. Até um ateu sabe se está fazendo a coisa certa ou errada. Sabe que existe Deus, porque Deus “Tudo fez Deus formoso no seu devido tempo; também pôs a eternidade no coração do homem... (Eclesiastes 3: 11). Nós sabemos exatamente quando estamos fazendo algo certo, ou errado.

Depois dizemos: “Eu sabia que deveria ter feito isso, ou aquilo”, ou “Algo me dizia que tal coisa, era a coisa certa a ser feita”.

Smith ensinou que os SUD que morrem, vão imediatamente ao mundo da Prisão Espiritual, para pregar a quem está lá. Então, novamente conclui-se que Smith não foi um maçom verdadeiro, pois para os maçons, após a morte o trabalho acaba:

(...) os trabalhos dos verdadeiros maçons terminam apenas com o fim da vida(...) (O Simbolismo da Maçonaria, de Albert G. Mackey,Volume2, pg 09; Editora Universo dos Livros, Edição de junho de 2008)

Por isso não há atualmente a mesma prisão espiritual que Jesus pregou. Acabou. Foi para aquele tempo, para aquele momento exclusivo.

Batismo pelos Mortos - Genealogias sem fim.

Sobre cada SUD vivo, repousa uma responsabilidade pesada, chamada de “Batismo pelos Mortos”. O SUD que está apto para ir ao Templo deve realizar esse tipo de Batismo por todos os seus parentes que morreram sem ter sido mórmons. 

Como isso é feito?

É um batismo “normal”, onde o SUD entra no tanque batismal cheio de água, então é batizado em nome de algum familiar que tenha falecido sem ter sido mórmon. Através de pesquisas complexas, cada SUD é incentivado a montar uma árvore genealógica, e pesquisar a história de seus antepassados, para efetuar tal batismo em favor do parente falecido. Como vimos no início, a igreja SUD é dona do maior centro de registros genealógicos do Planeta, o Family History Search. É um centro de pesquisas que contém livros de imigrantes com registros de quase todos os Países do mundo, certidões de nascimento, casamento, óbito, registros de imóveis, terrenos, e tudo micro-filmado e arquivado com um zelo impecável.

Para isso cooperaram SUD do mundo todo à medida que compartilham com o Centro de pesquisas as suas descobertas sobre entes queridos. Tudo isso é levado à sério devido à crença de que os antepassados estão na tal prisão espiritual aguardando apenas que alguém se batize por eles para que possam sair de lá.

Como a doutrina é um tanto “diferente”, Smith também decidiu apoiá-la na Bíblia, dizendo que o Apóstolo Paulo ensinou o Batismo pelos mortos, usando para isso um versículo em que Paulo cita tal batismo. Mas a citação de Paulo está longe de ser o ensinamento dessa estranha doutrina, vejamos:

E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados. E ainda mais: os que dormiram em Cristo pereceram. Se a nossa esperança em Cristo se limita apenas a esta vida, somos os mais infelizes de todos os homens. (...) Doutra maneira, que farão os que se batizam por causa dos mortos? Se, absolutamente, os mortos não ressuscitam, por que se batizam por causa deles? (1 Coríntios 15: 16-19, 29)

Paulo não está falando do Batismo pelos Mortos como uma doutrina a ser obedecida, e sim ironizando os que se batizavam por Jesus, e não criam em ressurreição. Basta voltarmos alguns versículos antes, e examinarmos o texto dentro de todo seu contexto:

Ora, se é corrente pregar-se que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como, pois, afirmam alguns dentre vós que não há ressurreição de mortos? (1 Coríntios 15:12)

O “morto” a quem Paulo se refere é o Senhor Jesus, e não o parente falecido de alguém. Ele faz então uma longa explanação, e então retorna ao ponto onde tinha parado. Talvez por isso algumas pessoas como Smith, tenham tirado as palavras de Paulo do contexto, aproveitando do esquecimento do assunto principal que Paulo estava falando. Podemos até emendar os versículos, para que fique mais claro o assunto, da seguinte maneira:

Ora, se é corrente pregar-se que Cristo ressuscitou dentre os mortos, como, pois, afirmam alguns dentre vós que não há ressurreição de mortos? E, se não há ressurreição de mortos, então, Cristo não ressuscitou. (...) Doutra maneira, que farão os que se batizam por causa dos mortos? Se, absolutamente, os mortos não ressuscitam, por que se batizam por causa deles? (1 Coríntios 15: 12, 13, 29)

A tática que o inferno usa aqui é isolar um versículo distorcer completamente seu sentido, e montar uma doutrina diabólica em cima dele. Quem não lê o capítulo todo, fica com a cabeça cheia de falsas idéias, acreditando que realmente “Paulo ensinou a doutrina do Batismo pelos Mortos”. Isso é falso, pois se Paulo apoiasse de qualquer forma essa falsa doutrina, ele incentivaria que todos fizessem suas pesquisas genealógicas, e não é isso que o vemos fazendo. Ele inclusive nos adverte CONTRA pesquisas genealógicas:

Eles, todavia, não irão avante; porque a sua insensatez será a todos evidente, como também aconteceu com a daqueles. (2 Timóteo 3:9)

Quando eu estava de viagem, rumo da Macedônia, te roguei permanecesses ainda em Éfeso para admoestares a certas pessoas, a fim de que não ensinem outra doutrina, nem se ocupem com fábulas e genealogias sem fim, que, antes, promovem discussões do que o serviço de Deus, na fé. (1 Timóteo 1: 3,4)

Ora, se Paulo ensinasse a tal doutrina do Batismo pelos Mortos, ele seria o maior defensor das genealogias! No entanto, não é isso que vemos nas suas cartas. Inclusive, o Livro de Mórmon jamais ensinou o Batismo pelos Mortos. Lá, fica claro que apenas ESTA vida é o tempo para que os homens decidam seu destino eterno: 

Pois eis que ESTA vida é o tempo para os homens prepararem-se para encontrar com Deus... (Alma 34: 32)

Mas nós ficamos com a opinião da Bíblia de qualquer forma: Porquanto, desconhecendo a justiça de Deus e procurando estabelecer a sua própria, não se sujeitaram à que vem de Deus. (Romanos 10:3)

Foi isso que Smith pregou: Justiça própria. Smith inventou uma série de caminhos até a salvação, descartando por completo a necessidade de arrependimento AGORA. Ignorando a severa advertência que Deus dá a todos que ainda estão vivos:

(...) como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? (Hebreus 2:3)

Distorcendo o Senhor Jesus:

(...) nosso Salvador disse que todo tipo de pecado e blasfêmia será perdoado ao homem; mas blasfêmia contra o Espírito Santo não será perdoada, nem neste mundo nem no mundo vindouro, mostrando evidentemente que há pecados que podem ser perdoados no mundo vindouro, embora o pecado de blasfêmia [ contra o Espírito Santo] não possa ser perdoado. (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith- Capítulo 35 pg 427; Edição 2007)

Não. Jesus não está mostrando “evidentemente” que “há pecados que podem ser perdoados no mundo vindouro” de maneira alguma! Vejamos o texto original do Senhor Jesus:

Em verdade vos digo que tudo será perdoado aos filhos dos homens: os pecados e as blasfêmias que proferirem. Mas aquele que blasfemar contra o Espírito Santo não tem perdão para sempre, visto que é réu de pecado eterno. (Marcos 3: 28, 29)

O problema é que os líderes SUD só enxergam o que querem ver! Onde, no texto Bíblico, Jesus mostra que “evidentemente” há pecados que “são perdoados” no mundo vindouro? Em parte alguma! Jesus citou a eternidade para dar uma noção da gravidade do pecado aos escribas que blasfemavam! E não para instituir a doutrina de que há pecados perdoados “pós-mortalidade”. Isso só existiu na mente de Smith.

Aliás, a confusão em torno do Batismo pelos Mortos não pára por aqui. Smith criou muitas contradições concernentes ao modo de realizar o Batismo, e acabou banalizando a prática:

O Profeta começou a ensinar a doutrina do batismo pelos mortos já desde 15 de agosto de 1840. Como o templo estava em seus estágios iniciais de construção, os santos, à princípio,realizaram nos rios e córregos locais os batismos pelos mortos. Em janeiro de 1841, o Senhor revelou que essa prática somente poderia continuar até que os batismos pudessem ser realizados no templo. Durante o verão e o outono de 1841, os santos construíram uma fonte batismal temporária de madeira no subsolo do templo que acabara de ser escavado. Os batismos pelos mortos foram realizados pela primeira vez naquela pia batismal em 21 de novembro de 1841. (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith pg23; Edição 2007)

Interessante notar que o deus/homem, mais uma vez ficou apenas assistindo o povo realizar uma ordenança que não valeria NADA. Tanto que um ano depois, eles tiveram que refazer todos esses batismos!

Embora os batismos vicários nos rios locais tivessem sido realizados pela devida autoridade do sacerdócio, não tinham sido oficialmente registrados. Conseqüentemente, aqueles batismos tiveram que se realizados de novo. Em um discurso proferido em 31 de agosto de 1842, o Profeta explicou: ”Todas as pessoas batizadas pelos mortos precisam ter um registrador presente, para que ele seja uma testemunha ocular para registrar e testificar a respeito da veracidade e validade do seu registro.” (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith- Capítulo 41 pg 495; Edição 2007) – Grifo meu.

Então porque Smith não disse isso antes??? Ele mentiu claramente então, quando disse:

Tenho todo o plano do reino diante de mim, e ninguém mais o tem. (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja – Joseph Smith- Capítulo 44 pg 537; Edição 2007)

Tinha “todo o plano do reino” diante de si? Bem, as circunstâncias demonstram que essa afirmação não é verdadeira. Se realmente ele tivesse TODO o plano, como disse, não deixaria nenhum SUD realizar os batismos num riacho, sem registradores oficiais, e avisaria DOIS ANOS E SETE MESES DEPOIS, que segundo o “plano”, tais batismos não seriam válidos! Parece que Smith estava gostando da brincadeira de manipular os SUD. “Façam assim... Não, não valeu, era para ser de outro modo... Ih, faltou tal coisa”. Mas com intervalos de um ano ou mais.

Lago de Fogo

Esse é o vilão. É ele que Smith estava tentando evitar a todo custo, e para isso, inventou Exaltação, Graus de Glória, Batismo pelos mortos... Tudo para tentar anular o local mais assombroso que existe. Sim, que EXISTE. É um local real, e não um suspiro imaginário de um filme de terror. Mas, voltemos a Smith, o sonhador.

Para Smith, o Lago de Fogo é apenas uma “força de expressão”, um tipo de “sensação” e não um lugar real, literal:

E certamente todo homem deve arrepender-se ou sofrer, pois eu, Deus, sou infinito. Portanto não revogarei os julgamentos que pronunciar, mas sobrevirão desgraça, pranto, lamentação e ranger de dentes, sim, àqueles que se acharem a minha esquerda. Contudo, não está escrito que não haverá fim para esse tormento, mas está escrito tormento infinito. (...) Explicar-vos-ei, portanto, este mistério, porque vos convém conhecê-lo, assim como meus apóstolos. (...) Pois eis que o mistério da divindade, quão grande é! Pois eis que eu sou infinito e o castigo que é dado pela minha mão é castigo infinito, pois Infinito é meu nome. Portanto- Castigo eterno é castigo de Deus. Castigo infinito é castigo de Deus. (Doutrina e Convênios 19: 4-12)

A Bíblia despreza essa tentativa de mistificar o Lago de Fogo. Smith foi infeliz com tal afirmação. Não que ele tenha inventado isso, mas com certeza algum espírito maligno lhe deu tal revelação, afinal, o maior interessado na nossa perdição eterna é o próprio Diabo.

Se ele conseguir fazer com que acreditemos que o Lago de Fogo é uma lenda, estará em vantagem. Agora, que fiquem algumas perguntas para meditação dos SUD:

- Se o tormento eterno (Lago de Fogo), não é eterno, porque então o céu o é? Deus usa a mesma palavra para se referir tanto a um quanto a outro.

- Se o tormento no Lago de Fogo é “cronometrado” e chegará a um fim, porque então Jesus morreu? Não seria necessário tanto sofrimento assim, sendo que no final, não estaríamos ganhando o livramento da perdição eterna.

O texto diz: “Castigo eterno é castigo de Deus”. Não! De forma alguma. Castigo eterno é CASTIGO ETERNO. Se entrássemos no jogo de manipulação de Smith, poderíamos criar uma doutrina nova a cada linha do livro de Mórmon que lêssemos, por exemplo, partindo dessa afirmação “castigo eterno é castigo de Deus”, poderíamos então criar a doutrina de que Deus será castigado, já que o texto diz que o castigo é “DE DEUS”. Poderíamos também criar a doutrina de que “Deus acaba”, sendo que se o castigo “eterno” não é eterno, logo Deus, também não o é! E muitas tantas outras coisas poderíamos distorcer e criar uma gama de doutrinas absurdas!

O importante é que tenhamos a humildade de aceitar que Deus espera pacientemente até que nos arrependamos, porque ESTA vida é o momento para arrependimentos.

(...) como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? (Hebreus 2:3)

Continue a leitura:

Capítulo 1 - Traídos pela própria fé

Capítulo 2 - Somente eu fiquei

Capítulo 3 - Um bosque, dois Personagens e um jovem

Capítulo 4 - A Maçonaria e seu filho Mormonismo

Capítulo 5 - Joseph Smith ou Joseph Cristo?

Capítulo 6 - E Deus criou... Deus?

Capítulo 7 - O jogo dos sete erros, ou dos 3.193 erros?

Capítulo 8 - Deem uma agenda para Jesus!

Capítulo 9 - Negros – A cor do Sacerdócio

Capítulo 10 - Eu os declaro marido e ... mulheres?

Capítulo 11 - “Diga aos Mórmons que Eu os amo...”


Veja também:

Joseph Smith na Maçonaria - Veja o que um Ex-Maçom tem a dizer no video "Eu servi Lúcifer sem saber":


O ex-maçom francês Serge Abad-Gallardo, esteve na Maçonaria por 24 anos e escreveu três livros: Eu servi Lúcifer sem saber, Porque deixei de ser maçom e Eu bati à porta do Templo.

Joseph Smith fez mais do que Jesus?



Testemunho de Ex-Bispo Mormon - Lee Baker

*


Testemunho de Lynn Wilder, ex-Professora da Brigham Young University (BYU)
 e de como seu filho, foi excomungado.




Testemunho de MicahWilder, Ex Elder: Sei que a Igreja e verdadeira:




Licença Creative Commons ----    Licença Creative Commons



Diga aos Mórmons que Eu os amo é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported. [TAGS: onde comprar Diga aos Mórmons que Eu os amo, download, grátis, gratuito, de graça, ler, baixar, upload, mormonismo, maçonaria, Joseph Smith, GADU, G.A.D.U., Grande Arquiteto do Universo, ritos, rituais, rito escocês, rito de york, companheiro, companheiros, com um acordo, gestos, sinais, William Schnoebelen, graus de glória, exaltação, deuses, deus homem, maçom, maçons, maçônico, maçônica, maçônicos, maçônicas, Loja Azul, Grande Oriente, GOB, Tubalcaim, batidas, Mestre maçom, Grau 33, 33° Grau, Grão Mestre, Druida, ofício, sacerdócio, sacerdotal, Templo, Salt Lake City, Utah, SUD, LDS, Santos dos últimos dias, santo dos últimos dias, missionário, porta a porta, ala, estaca, regional, reunião sacramental, ceia, livro de mórmon, morôni, Presidente Gordon, No man Knows my History, Albert G. Mackey, Albert Pike, o simbolismo da maçonaria, Morals and Dogma, As Constituições de Anderson, Old Charges, O DNA e o Livro de Mórmon, Levantando o Véu da Poligamia, O livro perdido de Abraão, Satanismo, Ocultismo, Museu de História Mórmon, compasso, esquadro, sinais maçônicos, cumprimentos, aperto de mão, sinalizar, não há socorro para o filho da viúva, Hiram Abiff, batidas na porta, maçonaria por trás de portas fechadas, expondo os Illuminati do âmago, livros evangélicos grátis, livros grátis, livros para download gratuito, livro de estudo sobre Maçonaria para baixar, livro de estudo sobre Mormonismo para baixar, E-book grátis, E-book sobre Mórmons,]

Nenhum comentário:

Postar um comentário